Autoeuropa volta a parar mais de uma semana por falta de peças

  • Marta Santos Silva
  • 16 Março 2018

A fábrica de Palmela vai voltar a parar desde sábado, 24 de março, até ao dia 2 de abril. Uma mudança na procura dos clientes por motores a gasolina dificulta o fornecimento de peças.

A Autoeuropa vai voltar a parar este mês. Desde o dia 24 de março, sábado, até 2 de abril, a fábrica de Palmela vai estar parada por falta de peças, confirmou ao ECO fonte oficial da administração.

A mesma fonte afirmou que a falta de peças se deve a uma mudança na preferência dos consumidores. “Há uma maior procura de motores a gasolina do que dos motores a diesel”, explicou ao ECO. “É um problema que também afeta outras fábricas do grupo e da marca” Volkswagen, continuou, sem poder esclarecer se haverá paragens em fábricas da empresa alemã noutros países. Os fornecedores de peças, explicou, não se estão a conseguir adaptar a esta mudança nas preferências dos clientes.

A paragem vai desde o dia 24 de março, inclusive, até ao dia 2 de abril, com a retoma a começar a 3 de abril. De acordo com o sindicato Site-Sul, dirigido por Eduardo Florindo e associado à CGTP, “a Autoeuropa tem o parque automóvel cheio de carros por falta de peças”, uma falta que é preciso agora colmatar. “A semana de paragem é para recuperar os carros que estão no parque, com as peças que faltam, para o esvaziar”.

Para o sindicato, que já dissera o mesmo da última vez que a Autoeuropa foi obrigada a fazer uma paragem, na altura de um dia, por falta de peças, isto significa que o aumento de produção com o trabalho ao sábado e laboração à noite não foi bem preparado. “Ninguém estava preparado para estes volumes de produção, e a prova é que os fornecedores não conseguem fornecer peças para laboral continuamente”, afirmou Eduardo Florindo. A empresa, porém, defende que não é o volume de produção mas sim a mudança de prioridades no que toca aos motores que motiva esta dificuldade de adaptação das empresas fornecedoras de peças.

O coordenador da Comissão de Trabalhadores, Fernando Gonçalves, corroborou a administração, referindo que a paragem “tem a ver com uma peça do motor que está em falta”, tal como foi transmitido aos trabalhadores através de um folheto de circulação interna a que o ECO teve acesso. Fernando Gonçalves acrescentou: “Não é só na nossa fábrica, vai ser noutras fábricas também”.

A fábrica de Palmela impôs, a partir de fevereiro deste ano, um horário de 17 turnos aos seus trabalhadores, com turnos noturnos durante a semana e dois turnos ao sábado, embora os trabalhadores tenham rejeitado essa proposta quando lhes foi feita através da Comissão de Trabalhadores. De acordo com a administração, o novo horário é a única forma de atingir o objetivo de produzir 240 mil unidades do T-Roc, o novo automóvel da marca, só em 2018.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoeuropa volta a parar mais de uma semana por falta de peças

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião