É oficial. Autoeuropa aprova aumento de 3,2% e passagem de 250 funcionários a efetivos

  • Marta Santos Silva
  • 21 Fevereiro 2018

A Comissão de Trabalhadores confirma que os aumentos ficam aquém do que reivindicaram mas acima da proposta inicial da administração. O aumento tem agora de ser aprovado pelos trabalhadores.

A Comissão de Trabalhadores (CT) e a Autoeuropa conseguiram chegar a um pré-acordo para aumentos salariais, conforme confirmou ao ECO fonte oficial da Comissão de Trabalhadores. O aumento salarial, com retroativos a outubro, é de 3,2%, tal como a CT anunciou num comunicado enviado às redações.

A CT esperou para confirmar valores avançados pelo ECO até os ter comunicado aos trabalhadores, sem se pronunciar sobre o tema antes desse momento. Agora, o entendimento será debatido pelos trabalhadores num plenário na próxima terça-feira, já que os 5.700 trabalhadores têm de aceitar as condições que os seus representantes negociaram com a administração da fábrica de Palmela.

Fernando Goncalves é o atual presidente da Comissão de Trabalhadores.RUI MINDERICO/LUSA

A ser aceite, o aumento salarial será de de 3,2% com retroativos a 1 de outubro de 2017. O entendimento prevê um valor mínimo de 25 euros para aqueles trabalhadores que, com mais 3,2%, fiquem aquém desse valor. Em abril de 2018, haverá prémios para os trabalhadores de 100 ou 200 euros, que dependerão da antiguidade do trabalhador. O acordo a 15 meses vigorará até ao final do ano deixando assim espaço para, no final de 2018, voltar a negociar aumentos salariais para 2019. O entendimento inclui ainda a “conversão de 250 contratos a termo em contratos efetivos até 31 de dezembro de 2018”.

A negociação atual deveria ter ocorrido em setembro. No entanto, após a saída de uma Comissão de Trabalhadores no verão passado por não ter conseguido encontrar um pré-acordo para os horários de trabalho e salários que tenha agradado aos operários da fábrica de Palmela, a negociação foi-se atrasando — é por isso que o aumento terá retroativos a outubro.

Os valores ficam aquém do que a Comissão de Trabalhadores, dirigida por Fernando Gonçalves (na foto), pretendia no seu caderno reivindicativo, onde exigia aumentos de 6,5%, com um mínimo de 50 euros. No entanto, são superiores ao que a administração contrapropôs, que era um aumento de 3% este ano (2018), embora com a promessa de mais 2% em 2019.

Este ano, a partir de 29 de janeiro, a fábrica da Volkswagen decidiu impor unilateralmente um horário de 17 turnos que inclui o trabalho obrigatório ao sábado e um turno noturno da meia-noite às 7h00, após ter sido impossível chegar a um acordo que fosse aprovado pelos trabalhadores. A Autoeuropa referiu que seria impossível atingir a meta de produção do novo modelo T-Roc sem esse alargamento de horário.

A atual Comissão de Trabalhadores também não tem trabalhado sem contestação. Um abaixo-assinado que circulou na empresa teria recolhido cerca de duas centenas de assinaturas para destituir o grupo de representantes.

Notícia atualizada às 17:15.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É oficial. Autoeuropa aprova aumento de 3,2% e passagem de 250 funcionários a efetivos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião