Quanto ganha e como progride um trabalhador da Autoeuropa?

  • Marta Santos Silva
  • 16 Fevereiro 2018

Numa altura em que a Comissão de Trabalhadores e a administração da Autoeuropa tentam chegar a um acordo para um aumento salarial, o ECO mostra quanto se ganha na fábrica de Palmela.

Quanto se ganha de facto na Autoeuropa? Numa altura em que a Comissão de Trabalhadores negoceia aumentos salariais com a administração da fábrica da Volkswagen em Palmela, e após os trabalhadores terem visto o seu horário e dias de trabalho mudarem, o ECO foi perceber quais as condições salariais por que se regem atualmente os trabalhadores nessa fábrica.

Na fábrica de Palmela, no ano em que são integrados, os técnicos recebem 660 euros mensais de salário base. A tabela salarial, à qual o ECO teve acesso, mostra os salários brutos antes da aplicação de qualquer subsídio, por exemplo o subsídio de turno que um trabalhador pode receber por fazer noites.

A tabela vigente, que pode consultar abaixo, mostra que um operário pode vir a ganhar 1.885 euros mensais. No entanto, para chegar a esse nível remuneratório precisaria de estar na fábrica pelo menos 17 anos e desempenhar funções que requerem certas qualificações. Para ajudar à leitura da tabela, importa saber que a secção marcada como Zona representa o tipo de trabalho efetuado na fábrica, enquanto a coluna ao lado mostra o tempo que o trabalhador passa com uma certa remuneração antes de avançar para o escalão seguinte.

Imaginemos então um trabalhador que entra para a Zona 1 e começa a ganhar 660 euros. Um ano depois, pode ser aumentado para 716,5 euros, e meio ano depois disso para 775 euros. Após 11 anos na fábrica de Palmela, o operário estará a receber 1.095 euros, e pode depois começar a progredir através da linha horizontal que é possível ver ao lado, com parcelas denominadas 1A, 1B, 1C… Se não mudar para outro tipo de função, o trabalhador pode atingir o topo de carreira, a ganhar 1.250,50 euros, ao fim de 26 anos de casa.

Um trabalhador especialista, por sua vez, pode vir a ganhar 3.667 euros, com outras condições de progressão. Essa tabela pode ser consultada abaixo.

Para perceber de facto qual é o quadro salarial que se verifica nesta empresa com milhares de trabalhadores, seria necessário saber quantos operários existem em cada escalão salarial. No entanto, embora tenha feito pedidos à administração da Autoeuropa e aos sindicatos, o ECO não conseguiu ter acesso a esses números, nem a um valor de salário médio. O ECO também tentou contactar a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa sobre o tema mas não obteve resposta.

Há cinco anos, em 2013, a Comissão de Trabalhadores presidida por António Chora revelou o salário médio de então na empresa. “O salário médio dos técnicos é de 1.200 euros, e o geral, tendo em conta os especialistas, é de 1.340 euros brutos”, assinalava uma nota da CT. A divulgação deste valor chegou em resposta a uma declaração de Marques Mendes, no seu espaço de comentário da SIC, que afirmou erradamente que o salário médio na fábrica de Palmela era de 1.800 euros.

Um salário médio de 1.200 euros é alto? Depende com o que é que se está a compará-lo. Em 2016, de acordo com o Pordata, o salário médio na indústria transformadora — que inclui todo o tipo de fábricas, não apenas no setor metalúrgico nem de fabrico automóvel — era de 870,1 euros. De assinalar que as mulheres recebem, em média, menos do que os homens, e que na Autoeuropa, ao contrário de outros tipos de fábricas em que se pode verificar o oposto, apenas 13% dos trabalhadores são mulheres, por exemplo.

No contrato coletivo de trabalho do setor que foi assinado em 2010 entre a Associação Automóvel de Portugal e o Sindel, Sindicato Nacional da Indústria e Energia, surgem os valores mínimos que devem ser pagos aos trabalhadores fabris da produção de peças automóveis ou da montagem de automóveis. No entanto, os valores da tabela salarial representam mínimos a ser pagos, e encontram-se tão desatualizados que vários níveis da tabela já foram “engolidos” pelos sucessivos aumentos do salário mínimo. Alberto Vale, do Sindel, assegurou ao ECO que a vasta maioria das fábricas pratica valores superiores ao desta tabela desatualizada, que indica entre 1.124 e 1.252 euros como a remuneração do topo da carreira, e que estão em curso negociações para que esta seja alterada.

Nas últimas semanas, a Comissão de Trabalhadores tem estado em negociações com a administração da Autoeuropa para determinar o aumento salarial de 2018, uma negociação que habitualmente se realiza em setembro do ano anterior, mas que foi atrasada devido às sucessivas dificuldades em fazer aprovar um acordo de empresa para o novo horário. Este ano, a partir de 29 de janeiro, a empresa decidiu impor um horário de 17 turnos que inclui o trabalho obrigatório ao sábado e um turno noturno da meia-noite às 7h00. A Comissão de Trabalhadores, dirigida agora por Fernando Gonçalves, pretendia um aumento de 6,5% em 2018, com um mínimo de 50 euros, enquanto a administração da fábrica tinha como proposta aumentos de 3% em 2018 e de 2% em 2019. As negociações têm decorrido à porta fechada.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quanto ganha e como progride um trabalhador da Autoeuropa?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião