Bank Millennium cai. BCP sobe quase 1% com compra de banco na Polónia

As ações do BCP antecipam o potencial positivo sobre os lucros da aquisição do Euro Bank pelo seu braço na Polónia. Já o Bank Millennium diz que não vai pagar dividendos em resultado dessa compra.

O que é bom para uns nem sempre o é para outros. O rumo seguido pelas ações do BCP e do Bank Millennium após fechada a compra do Société Générale na Polónia é ilustrativo disso mesmo. Enquanto as do banco liderado por Miguel Maya aceleram perto de 1%, as do seu braço na Polónia recuam 1%.

Em comunicado enviado à CMVM, a instituição liderada por Miguel Maya revelou esta segunda-feira que, através do Bank Millennium, adquiriu a instituição polaca do banco francês — o Euro Bank — num negócio feito integralmente em dinheiro. O valor da operação ascendeu a 428 milhões de euros.

BCP avança em bolsa

Este negócio não é uma surpresa, tendo já tido sido noticiado por várias vezes. Mas, segundo os cálculos do BPI deverá trazer um impacto positivo sobre os lucros da instituição financeira liderada por Miguel Maya na ordem dos 5%. “A nossa estimativa é que, com esta compra, os lucros por ação do BCP sejam de cerca de 4% a 5% a médio prazo”, diz o banco na análise à compra anunciada pelo BCP.

Por essa razão não é de estranhar que as ações do BCP estejam a valorizar na bolsa portuguesa, recuperando face às perdas de 1% registadas no arranque da sessão. O título soma neste momento 0,7% para os 24,45 cêntimos por ação.

Já o Bank Millennium como comprador do Euro Bank, negócio em que teve de desembolsar o equivalente a 428 milhões de euros, não verifica o mesmo entusiasmo na bolsa. As suas ações estão a deslizar 0,9%, para os 8,77 zlotys, na bolsa de Varsóvia.

É que, no seguimento desse investimento, o banco polaco anunciou que não pretende distribuir dividendos pelos seus acionistas no próximo ano. “Devido a essa transação, não vamos pagar o dividendo de 2018”, disse Fernando Bicho, CFO do Bank Millennium. “É demasiado cedo para dizer quando seremos capazes de pagar dividendos”, acrescentou o mesmo responsável, citado pela Reuters.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bank Millennium cai. BCP sobe quase 1% com compra de banco na Polónia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião