Maioria negativa deve chumbar taxa de proteção civil e prepara eliminação da sobretaxa do ISP

  • ECO
  • 13 Novembro 2018

Salvo alterações nas intenções dos partidos, António Costa também terá de contar com uma maioria negativa para chumbar a taxa de proteção civil e eliminar a sobretaxa do ISP.

O primeiro-ministro, António Costa, terá de contar com uma maioria negativa que se prepara para chumbar a taxa de proteção civil, eliminar a sobretaxa do ISP e fazer cair o decreto-lei da contagem parcial do tempo de carreira dos professores.Henrique Casinhas / ECO

O PSD, o CDS e o BE vão votar contra a taxa de proteção civil incluída pelo Governo na proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2019, enquanto o PCP ainda não decidiu se também chumba a medida, ou se propõe a alteração da mesma. A notícia é avançada pelo Público (acesso condicionado), que noticia mais uma possível coligação negativa para fazer cair uma medida do Executivo de António Costa.

No âmbito da discussão do OE, o BE já entregou uma proposta de revogação desse artigo, que obrigaria cidadãos e empresas ao pagamento de uma taxa nos 308 municípios do país pelo desenvolvimento de atividades de risco, como aquelas que envolvam risco de incêndio, por exemplo. O CDS também já se mostrou contra e o PCP diz que, “tal como está”, não concorda com a medida. Junta-se também o PSD, com o presidente do partido, Rui Rio, a anunciar que a bancada social-democrata irá votar contra a proposta.

A medida inscrita no OE para 2019 recupera uma medida que esteve em vigor em Lisboa. No entanto, a taxa de proteção civil criada pela Câmara Municipal foi considerada inconstitucional e a autarquia da capital acabou por ser obrigada a devolver a totalidade do montante cobrado.

Maioria negativa também na eliminação da sobretaxa do ISP

Outra maioria negativa à vista na discussão do documento na especialidade é a eliminação da sobretaxa do imposto sobre produtos petrolíferos (ISP).

O PSD já está empenhado em colocar o ISP no mesmo patamar que estava em 2016, no início da legislatura, depois de, este verão, se ter demarcado de uma proposta do CDS que pretendia eliminar a sobretaxa e baixar a carga fiscal dos combustíveis. E vai apresentar uma proposta de alteração ao OE nesse sentido, de acordo com o Público.

Em julho, quando o PSD votou contra a proposta do CDS, o argumento de Rui Rio era o de que a proposta da bancada centrista violava a lei-travão, por poder introduzir uma alteração significativa na receita fiscal durante a execução fiscal — ou seja, era inconstitucional. Mas, no contexto atual, esse problema já não se coloca. Estima-se que a medida possa ter um impacto de 474 milhões de euros nos cofres públicos.

Não há duas sem três: coligação negativa também na contagem do tempo de carreira dos professores

Esta segunda-feira, o Público também noticiou que o Governo vai ter problemas com o decreto-lei que prevê a contagem parcial do tempo de serviço dos docentes para efeitos de progressão nas carreiras. Em causa, outra maioria negativa.

O PSD decidiu juntar-se ao PCP, BE e CDS para chamar ao Parlamento e chumbar o decreto-lei da contagem parcial do tempo de serviço, já aprovado em Conselho de Ministros, caso este passe pelo crivo do Presidente da República. O Governo pretende contar apenas dois anos, nove meses e 18 dias dos nove anos em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, o que tem vindo a espoletar protestos no setor do Ensino.

Contudo, ao contrário do Executivo, os restantes partidos consideram que o tempo deve ser contado na totalidade, ainda que o PSD admita uma solução em que a reflexão desse tempo na progressão da carreira dos docentes possa ser feita de forma “muito faseada”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria negativa deve chumbar taxa de proteção civil e prepara eliminação da sobretaxa do ISP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião