“Falta saber quem é o último beneficiário desta coisa”, avisa Rui Rio sobre venda da GNB Vida

  • ECO
  • 11 Agosto 2020

O presidente do PSD reagiu à notícia de que a GNB Vida foi vendida pelo Novo Banco com um desconto de 70%, lembrando que "falta saber quem é o último beneficiário" da operação.

O presidente do PSD reagiu à notícia de que o Novo Banco vendeu a GNB Vida com um desconto de 70%. Numa mensagem publicada no Twitter, Rui Rio critica o Novo Banco porque “pagaram os contribuintes” a perda gerada pelo negócio e alertou que “ainda falta saber quem é o último beneficiário desta coisa”.

“Em 2016, no balanço do Banco Bom, a GNB Vida valia 620 milhões de euros. Em junho de 2019, tinha capitais próprios de 391 milhões de euros. Três meses depois, é vendida por 123 milhões de euros. As perdas, que dizem ser de 268 milhões de euros, pagaram os contribuintes. E ainda falta saber quem é o último beneficiário desta coisa”, atirou Rui Rio, num comentário a uma notícia do Público.

O Público denunciou esta segunda-feira que o banco liderado por António Ramalho vendeu a GNB Vida com um desconto de 70% e indica que as autoridades portuguesas e europeias terão desvalorizado alegados indícios de ligação do comprador do ativo ao magnata do setor dos seguros Greg Lindberg, que foi condenado já este ano nos EUA por corrupção e fraude fiscal.

O Novo Banco assegura que o “preço final da transação foi o melhor” e a empresa, agora designada de Gama Life, garante não ter relação com o referido gestor.

A notícia voltou a atirar o Novo Banco para uma polémica, num dia em que o próprio PSD veio a público reagir à situação. “Começa a ser evidente que este caso terminará com uma comissão de inquérito parlamentar”, afirmou o deputado Duarte Pacheco em declarações à rádio TSF.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Falta saber quem é o último beneficiário desta coisa”, avisa Rui Rio sobre venda da GNB Vida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião