Portugal adia reembolso de 700 milhões de euros para 2028 após troca de dívida

IGCP concretizou esta quinta-feira uma oferta de troca de dívida pública. Operação permite adiar para 2028 o reembolso de 700 milhões de euros em títulos que venciam já no próximo ano.

Portugal procedeu esta quinta-feira a uma oferta de troca de dívida pública, numa operação que permite ao país adiar para 2028 o reembolso de 700 milhões de euros em títulos que venciam já no próximo ano.

Em concreto, o IGCP foi esta manhã ao mercado recomprar 702 milhões de euros em obrigações do Tesouro que atingiam a maturidade em junho de 2020 e tinham um cupão associado de 4,80%.

Em contrapartida, a agência liderada por Cristina Casalinho colocou junto desses investidores outros 702 milhões de euros em títulos que apenas vão vencer dentro de nove anos, apresentando um cupão de 2,125%.

“Mais uma vez os investidores mostram confiança na dívida pública nacional”, referiu Filipe Silva, do Banco Carregosa. “Com esta operação, Portugal tira pressão sobre as amortizações que terá de fazer em 2020 e ao mesmo tempo emite divida de longo prazo com uma taxa que irá permitir baixar a taxa média do seu custo de endividamento”, acrescentou.

Ou seja, não houve qualquer aumento da dívida pública com esta operação. Tratou-se apenas de uma troca de obrigações. Tem sido a estratégia seguida pelo IGCP para alisar o esforço de reembolsos nos próximos anos. Nos próximos dois anos, Portugal terá de enfrentar uma série de amortizações de títulos que atingem as maturidades, incluindo 21 mil milhões de euros este ano e quase nove mil milhões de euros no ano que vem.

"Mais uma vez os investidores mostram confiança na dívida pública nacional. Com esta operação, Portugal tira pressão sobre as amortizações que terá de fazer em 2020 e ao mesmo tempo emite divida de longo prazo com uma taxa que irá permitir baixar a taxa média do seu custo de endividamento.”

Filipe Silva

Diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa

A última operação semelhante aconteceu no dia 5 de dezembro, quando o Tesouro português atirou 1.906 milhões de euros em obrigações para daqui a cinco e nove anos, após ter recomprado o mesmo montante em títulos que venciam em 2020 e 2021, com o objetivo de estender os prazos de reembolsos.

Estas ofertas de troca de dívida acontecem numa altura em que Portugal continua a beneficiar de um contexto favorável do mercado, ambiente ao qual não é alheia a política monetária do Banco Central Europeu (BCE) nem a melhor posição financeira do país (com redução do défice e melhores ratings, por exemplo). A República conseguiu mesmo financiar-se ao custo mais baixo de sempre em 2018, ao mesmo tempo que emitiu nova dívida com prazos mais longos.

(Notícia atualizada pela última vez às 11h43 com comentário de Filipe Silva sobre os resultados da oferta de troca de dívida)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal adia reembolso de 700 milhões de euros para 2028 após troca de dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião