Dívida aumentou, mas Portugal nunca pagou tão pouco para se financiar como em 2018

O reforço da confiança dos investidores no país e as condições domésticas e externas favoráveis fizeram baixar os custos de financiamento do país, no ano passado. A maturidade da nova dívida aumentou.

Portugal financiou-se, ao longo do ano passado, com os custos mais baixos de sempre. Num ano em que o “fardo” da dívida aumentou, o juro médio pago pelo país nas novas emissões caiu para 1,8% graças ao reforço da confiança dos investidores em resultado das condições favoráveis tanto internas como externas, revela o boletim mensal da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP).

No final de dezembro de 2018, o valor da dívida direta do Estado totalizava 245,6 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 3,1% no total do ano. Apesar disso, os investidores exigiram menos juros ao país. O custo médio dos Bilhetes do Tesouro (BT), Obrigações do Tesouro (OT), Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV) e Obrigações MTN emitidos ao longo do ano passado compara com 2,6% pagos em 2017.

Os juros têm vindo gradualmente a cair desde 2011, ano em que Portugal pediu o resgate financeiro e pagou uma média de 5,8% pela nova dívida. As novas emissões seguiram a tendência do custo da dívida portuguesa benchmark negociada em mercado secundário. Desde final de 2017 que a yield não ultrapassa a barreira dos 3%, estando atualmente nos 1,65%.

Um dos fatores apontados como fundamental para a descida nos custos de financiamento prende-se com as revisões em alta das avaliações das agência de rating, que foram passando Portugal para grau de investimento. Pela primeira vez em sete anos, a dívida nacional saiu do “lixo” pelas quatro principais agências de notação financeira em outubro de 2018.

O ano passado também ficou marcado pelo reembolso da totalidade do empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI), que ficou concluído a 10 de dezembro, com o pagamento de 4.700 milhões de euros, que atingiam a maturidade entre 2021 e 2024. A poupança estimada pelo ministério das Finanças com juros é de 100 milhões de euros, enquanto o pagamento foi feito com recurso a financiamento com maturidades mais longas, ou seja, o país aproveitou para baixar os custos de gestão da dívida e alongar o prazo médio.

A dívida portuguesa tem atualmente uma maturidade média de 7,8 anos, segundo indicam também os dados do IGCP, sendo que em 2018 as novas emissões voltaram a ser mais longas. Em linha com a estratégia levada a cabo por Cristina Casalinho à frente da agência (com emissões de dívida mais longa, recompra de títulos e operações de troca de Obrigações), o prazo médio dos novos empréstimos contraídos subiu para 10,3 anos, face a cerca de sete anos, em 2017.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida aumentou, mas Portugal nunca pagou tão pouco para se financiar como em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião