CGD e Bank of China juntam-se para emitir “panda bonds” de Portugal

  • ECO
  • 5 Dezembro 2018

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Bank of China assinaram um protocolo com vista à emissão de dívida pública portuguesa em renmimbis, a divisa chinesa.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) assinou um protocolo com o Bank of China (BoC) para estruturar e colocar uma emissão de dívida pública portuguesa em renmimbis, as chamadas panda bonds portuguesas. A notícia foi avançada pela Reuters, que cita o presidente executivo do banco público português, Paulo Macedo, e surge numa altura em que decorre a visita oficial do Presidente da China a Portugal.

Segundo a agência, Paulo Macedo avançou que as duas instituições bancárias têm trabalhado “na estruturação e emissão de dívida pública portuguesa em renmimbis”, mas ressalvou que o acordo “não tem nenhuma data”. No entanto, o gestor da CGD acredita que a emissão das panda bonds portuguesas possa acontecer “em breve”.

“Este protocolo vem formalizar todos os esforços e compromissos de desenvolver, estruturar naquilo que é a organização da operação, a sua estruturação e depois colocação”, afirmou Paulo Macedo à Reuters, à margem de um encontro entre o primeiro-ministro, António Costa, e o Presidente chinês, Xi Jinping. Mediante o protocolo, haverão também “facilidades de crédito dadas à CGD para exportadores portugueses que necessitem de garantias na China”.

De recordar que, para atrair investidores internacionais, o Governo português pretende dar isenção de IRS e IRC aos juros decorrentes de contratos de empréstimos celebrados com o IGCP sob a forma de panda bonds. A medida faz parte do Orçamento do Estado para o próximo ano.

(Notícia atualizada às 12h28 com mais informações)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD e Bank of China juntam-se para emitir “panda bonds” de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião