Endividamento da economia volta a subir. Atinge 723,1 mil milhões em novembro

Endividamento aumentou em 1,6 mil milhões de euros no mês de novembro. Na base desta evolução esteve sobretudo a subida da dívida do setor público.

O endividamento da economia portuguesa agravou-se em novembro. Superou os 723 mil milhões de euros naquele mês, um agravamento de 1,6 mil milhões de euros face ao mês anterior. Na base desta evolução esteve sobretudo a subida da dívida do setor público, mostram os dados do Banco de Portugal.

O total da dívida do Estado, empresas e famílias portuguesas chegou ao final de novembro nos 723,1 mil milhões de euros, correspondendo a uma subida de 1,6 mil milhões de euros face a outubro.

Tratou-se do quinto mês consecutivo em que o endividamento da economia se agravou, com este a encontrar-se assim no valor mais elevado desde abril deste ano, quando ascendia a 724,5 mil milhões de euros.

Endividamento da economia cresce pelo quinto mês

A justificação para essa evolução esteve sobretudo no setor público. “Este aumento resultou do incremento de 1,2 mil milhões de euros no endividamento do setor público e do aumento de 0,4 mil milhões de euros no endividamento do setor privado“, explica a entidade liderada por Carlos Costa na nota de informação estatística divulgada esta terça-feira sobre o endividamento do setor não financeiro.

O regulador dá ainda conta que “o acréscimo do endividamento do setor público resultou, sobretudo, do aumento do endividamento face ao setor não residente e às próprias administrações públicas“.

Já no que diz respeito ao setor privado, a maior parcela do aumento — 0,3 mil milhões de euros — foi endividamento das empresas face ao setor financeiro.

(Notícia atualizada às 11h17 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Endividamento da economia volta a subir. Atinge 723,1 mil milhões em novembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião