Drones em Gatwick custaram quase 17 milhões de euros à easyJet

  • Lusa
  • 22 Janeiro 2019

A companhia teve de pagar 11 milhões de euros em indemnizações a passageiros e perdeu 5,6 milhões de euros em bilhetes, no incidente registado em dezembro no aeroporto londrino.

A transportadora aérea easyJet informou esta terça-feira que os custos devido à suspensão da operação em Gatwick, um dos aeroportos que serve Londres, devido à presença de drones, chegou quase aos 17 milhões de euros (15 milhões de libras).

Em comunicado enviado à Bolsa de Londres, a companhia precisou ter destinado 11 milhões de euros em indemnizações para os passageiros e que perdeu 5,6 milhões de euros em bilhetes, no incidente registado em dezembro.

A easyJet precisou que o incidente afetou 82 mil passageiros e provocou o cancelamento de mais de 400 voos.

Na divulgação as contas do último trimestre de 2018, a companhia aérea indicou ter transportado 21,6 milhões de passageiros, uma subida de 15,1%, na comparação homóloga, e que a faturação subiu 13,7% para 1.468 milhões de euros.

Sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit), a companhia garantiu estar bem preparada para responder ao processo e que dispõe de 130 aviões registados na Áustria.

A companhia indicou que quer a União Europeia, quer o Reino Unido comprometeram-se a assegurar que os voos continuam a operar, a partir de 29 de março, mesmo se não houver um acordo.

A pista única do aeroporto de Gatwick, o segundo mais importante do Reino Unido, esteve encerrada durante 36 horas entre 19 e 20 de dezembro, depois de registada a presença de drones.

O aeroporto tinha referido que mil voos de todas as companhias foram afetados pelo incidente, cujas consequências se fizeram sentir por três dias e atingiram 140 mil viajantes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Drones em Gatwick custaram quase 17 milhões de euros à easyJet

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião