Depois de Gatwick, drone faz parar aeroporto de Heathrow

Descolagens no principal aeroporto de Londres foram suspensas após suposto avistamento de um drone, poucas semanas depois de um caso semelhante no aeroporto de Gatwick.

As descolagens no aeroporto de Heathrow, em Londres, foram temporariamente suspensas esta terça-feira, depois de ter sido reportado o avistamento de um drone a sobrevoar as redondezas. A informação foi confirmada oficialmente por um porta-voz do aeroporto mais movimentado da Europa. O caso acontece poucas semanas depois de terem sido suspensas as operações no aeroporto de Gatwick, pelo mesmo motivo.

“Estamos a dar resposta ao avistamento de um drone em Heathrow e a trabalhar em estreita parceria com a polícia para impedir qualquer ameaça à segurança operacional”, confirmou fonte oficial do aeroporto de Heathrow, em declarações ao The Guardian. “Como medida de precaução, interrompemos todas as descolagens. Pedimos desculpa aos passageiros por qualquer inconveniente que isto possa causar”, acrescentou.

Uma hora após o alerta, as operações no aeroporto foram restabelecidas. “Os voos foram retomados”, afirmou uma porta-voz em declarações à agência de notícias France-Presse, sem especificar o número de voos afetados por este incidente.

Num tweet, Sarah Rogers, jornalista da ITV, que fez escala esta terça-feira à tarde em Heathrow, confirma ter sido informada de que a polícia “está a investigar” o possível avistamento de um drone.

Este caso surge poucas semanas depois de o alegado avistamento de um drone ter feito parar o aeroporto de Gatwick, também em Londres, e chegado às capas de diversos jornais a nível internacional. Apesar da situação, que ainda não foi oficialmente explicada, alguns tabloides britânicos referem que a polícia concluiu ter-se tratado de luzes de alerta no topo de uma grua, decretando a ocorrência como um falso alarme.

Este tipo de ocorrências é cada vez mais comum a nível internacional e também já se verificaram situações semelhantes em Portugal, onde existe regulamentação específica para os drones desde final de 2016. Na passada semana, a lei foi reforçada pelo Governo, que aprovou em Conselho de Ministros um conjunto de novas regras para os aparelhos voadores não tripulados e controlados à distância.

Reino Unido reforça medidas contra drones

Este incidente ocorreu no mesmo dia em que o Governo britânico anunciou o reforço de medidas contra os drones, após a presença destes aparelhos na pista ter provocado o caos em finais de dezembro no aeroporto de Gatwick. As aeronaves não tripuladas serão proibidas numa área de cinco quilómetros ao redor dos aeroportos, um aumento face ao número de quilómetros impostos até agora (um quilómetro), indicou na noite de segunda-feira o Governo.

A partir de 30 de novembro, os detentores de drones com peso entre 250 gramas e 20 quilos terão que se registar e passar por um teste de competências para pilotar drones. A polícia pode aplicar multas de até 100 libras (112 euros) se, por exemplo, um utilizador de drone se recusar a pousar o aparelho ou não apresentar prova de registo.

(Notícia atualizada pela última vez às 20h30)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de Gatwick, drone faz parar aeroporto de Heathrow

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião