Bolsa renova máximos de 2015. BCP sobe mais de 2%

O PSI-20 está a negociar nos valores mais elevados desde agosto de 2015, numa altura em que o BCP continua a escalada da última sessão.

A bolsa de Lisboa voltou a abrir em alta esta terça-feira, prolongando os ganhos já registados na última sessão. A impulsionar o principal índice acionista nacional está o BCP, que continua a escalada e sobe mais de 2%, depois de ter sido considerado “top pick” pelo JPMorgan, bem como a Mota-Engil, que anunciou um novo contrato na Costa do Marfim.

O PSI-20 está a valorizar 0,57%, para os 5.777,76 pontos, com 11 cotadas em alta, três em queda e as restantes ainda inalteradas. A bolsa volta assim a renovar máximos, negociando nos valores mais elevados desde agosto de 2015.

A contribuir para este movimento está o BCP, que abriu a subir mais de 2%. O banco liderado por Nuno Amado aliviou entretanto os ganhos e segue agora a apreciar 1,72%, para os 32,54 cêntimos. Isto depois de, na segunda-feira, o JPMorgan ter colocado o título do BCP como “top pick” no setor ibérico, subindo o preço alvo para 35 cêntimos.

Também a Mota-Engil está a contribuir para os ganhos do PSI-20, ao avançar 1,36%, para os 4,09 euros por ação. A construtora ainda está a beneficiar do anúncio de que ganhou um novo contrato na Costa do Marfim, para tratamento de lixo, um negócio que pode chegar aos 140 milhões de euros.

Ainda do lado dos ganhos, a Jerónimo Martins recupera das quedas da última sessão e está agora a valorizar perto de 0,5%, para os 17,58 euros por ação. Os CTT, que afundaram mais de 3% no fecho de segunda-feira, também estão a recuperar e sobem 0,4%.

Do lado das quedas, destaque para o setor energético. A EDP está a perder 0,14%, para os 2,88 euros por ação, e a EDP Renováveis recua 0,07%, para os 7,10 euros por ação. Já a Galp cai 0,03%, para os 16,37 euros por ação.

Lisboa acompanha a tendência positiva do resto da Europa, numa altura em que os investidores festejam o fim do shutdown nos Estados Unidos. O presidente norte-americano, Donald Trump, promulgou na madrugada desta terça-feira o financiamento temporário do Governo federal, até 8 de fevereiro, permitindo reabrir os serviços que foram encerrados parcialmente desde sábado.

Entre as principais praças europeias, destacam-se a alemã, que valoriza perto de 0,8%, e a espanhola, que avança 0,5%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa renova máximos de 2015. BCP sobe mais de 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião