Afinal, apoio à creche para os filhos dos trabalhadores da Autoeuropa é uma exceção? Governo diz que não

O Ministério da Segurança Social diz que a opção está em cima da mesa, mas este "não é um apoio a conceder exclusivamente aos trabalhadores da Autoeuropa".

A Segurança Social poderá vir a pagar a creche ao sábado para os filhos dos trabalhadores da Autoeuropa. Contudo, o Governo rejeita que este seja um apoio “exclusivo”. O Ministério liderado por Vieira da Silva enviou um esclarecimento às redações onde explica que este apoio pode ser dado às creches com acordo com a Segurança Social se os pais atestarem a sua necessidade.

O Ministério da Segurança Social explica que o apoio de “complemento de horário em creche” está previsto nos acordos entre as IPSS e a Segurança Social. O gabinete de Vieira da Silva refere que, regra geral, esse apoio é dado a IPSS que funcionam perto de empresas ou instituições onde existe trabalho por turnos. É isso que deverá acontecer na Autoeuropa, após a reunião desta quarta-feira entre os serviços da Segurança Social e os recursos humanos da empresa.

Este apoio, pago à IPSS, pode ser concedido quando numa creche com acordo de cooperação com a Segurança Social os pais das crianças atestem necessidades de horários alargados ou horário de funcionamento ‘distinto’ de modo a que a creche assegure um horário ajustado às necessidades parentais”, explica o Governo no mesmo esclarecimento.

Dado que pode ser solicitado pelos pais e IPSS, o Executivo rejeita a ideia de que este é um apoio de exceção dado à empresa de automóveis. “Não é um apoio a conceder exclusivamente aos trabalhadores (as) da Autoeuropa“, defende o gabinete de Vieira da Silva, assinalado que, além disso, esta solução “ainda está a ser avaliada”. Esta terça-feira de tarde, fonte governamental tinha dito à Lusa que a Segurança Social já identificou as vagas em IPSS onde os trabalhadores da Autoeuropa poderão deixar os filhos nos sábados de trabalho.

O Ministério conta que foi a comissão de trabalhadores da Autoeuropa que pediu a intervenção do Executivo de forma a encontrar uma solução para as famílias cujos trabalhadores estão a trabalhar por turnos ou ao sábado devido aos novos horários. O apoio é “uma das possibilidades a considerar caso se verifique a disponibilidade por parte de instituições sociais que desenvolvam a resposta social creche com acordo de cooperação com a Segurança Social”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal, apoio à creche para os filhos dos trabalhadores da Autoeuropa é uma exceção? Governo diz que não

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião