Autoridades descobriram 1.962 notas de 500 euros… mas falsas

  • Margarida Peixoto
  • 26 Janeiro 2018

Mega apreensão de notas falsas de 500 euros fez subir contrafações detetadas no segundo semestre do ano passado. Mas as notas eram visivelmente ilegais: até tinham a palavra "espécime" escrita.

O número de notas falsas de 500 euros apreendidas pelas autoridades portuguesas disparou para 1.976 no segundo semestre de 2017. No primeiro, tinham sido retiradas de circulação apenas 123 exemplares. Mas este aumento explica-se por uma mega apreensão de 1.962 notas de 500 claramente contrafeitas: até tinham escrita a palavra “espécime”. Os dados foram revelados esta sexta-feira pelo Banco de Portugal.

No total, no segundo semestre do ano foram apreendidas 9.760 notas falsas — mais 1.679 do que nos primeiros seis meses do ano. A generalidade das notas contrafeitas “apresentam qualidade regular” diz o banco central, “e podem ser identificadas tocando, observando e inclinando a nota para detetar os seus elementos de segurança”, sem que seja necessário recorrer a “qualquer instrumento de verificação”.

A maior parte das notas apreendidas são de 20 euros, seguindo-se as de 50 euros. Não fosse a tal mega apreensão de notas de 500 com qualidade particularmente baixa — que, se não fossem ilegais, valiam 981 mil euros — as de 500 teriam sido as menos apreendidas. Do mesmo modo, se lhe for parar uma nota de 200 euros às mãos, o mais provável é que cumpra o seu valor, já que este é o tipo de nota menos apreendido.

No total do ano, foram retiradas de circulação 17.841 notas, que pretendiam ter um valor de mais de 1,5 milhões de euros. Seja como for, o Banco de Portugal sublinha que o número de apreensões continua a ser residual quando comparado com o total de notas em circulação.

O próximo gráfico mostra o número de notas contrafeitas apreendidas em 2017, em Portugal, por tipo de nota. Quando pegar numa nota de 20 euros, preste bem atenção.

Notas falsas apreendidas em 2017

Fonte: Banco de Portugal

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoridades descobriram 1.962 notas de 500 euros… mas falsas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião