Santa Casa pode dar 160 milhões, mas por 6% do Montepio

  • ECO
  • 27 Janeiro 2018

O provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa queria um desconto, mas há um hipótese em cima da mesa que encarece o preço a pagar pela entrada no capital do banco.

A Santa Casa poderá vir a pagar mais que o previsto para entrar no capital do Montepio. Inicialmente, o investimento deveria ser de 200 milhões de euros, o que corresponderia a 10% do capital do banco. Contudo, segundo o Expresso deste sábado [acesso pago], há agora outra possibilidade em cima da mesa: A SCML poderá vir a pagar 160 milhões de euros por 6% do capital, o que encarece o negócio.

No início do mês, quando esteve no Parlamento, o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Edmundo Martinho, falou da possibilidade de um “desconto” no preço das ações do Montepio. Disse ainda que a entrada no banco pode ser “faseada”. No entanto, o semanário revela que o negócio pode vir a ser mais caro face ao valor inicialmente falado.

Caso a avaliação inicial de 200 milhões de euros por 10% fosse correta — ainda decorre a auditoria do Haitong à Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) –, o banco estaria avaliado em dois mil milhões de euros, um valor superior ao do BPI, por exemplo. Se a percentagem descesse para 6%, a SCML teria de pagar 120 milhões de euros.

Porém, o novo valor em cima da mesa de 160 milhões de euros por 6% do capital valoriza ainda mais o Montepio. Assim, a valorização total do banco seria superior a 2,6 mil milhões de euros. Fonte próxima do Montepio disse ao Expresso que “como este é um negócio essencialmente político, nunca se sabe em que termos e quando poderá acontecer”.

Na audição no Parlamento, o provedor da Santa Casa previa que o negócio deveria estar fechado até ao final deste mês, mas isso parece estar longe de acontecer. O Haitong está à espera das contas de 2017 do banco, o que só deverá ser entregue em março. Além disso, há duas semanas foi notícia que a Associação Mutualista — o único acionista do banco — terá recusado facultar informação aos analistas do Haitong para fazer uma análise mais completa da situação financeira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santa Casa pode dar 160 milhões, mas por 6% do Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião