Quanto vale o Montepio? Muito menos do que a Associação diz que vale

Quanto vale o Montepio? Tomás Correia avalia o banco em 2.000 milhões. Mas o mercado torce o nariz. Múltiplos apontam para um valor de mercado de 1.300 milhões. E não dão mais do que 1.700 milhões.

Tomás Correia não quer dar descontos, mas investidores torcem o nariz à avaliação que a Associação Mutualista faz do Montepio.Paula Nunes / ECO

Afinal, quanto vale o Montepio? A julgar pelo valor que o mercado está a atribuir ao BCP e ao setor financeiro europeu, o banco da Associação Mutualista deverá valer aproximadamente 1.300 milhões de euros. Até pode estar avaliado em 1.700 milhões, nas melhores estimativas. Mas, seja como for, os investidores torcem o nariz à avaliação que Tomás Correia faz da Caixa Económica: 2.000 mil milhões de euros. É muito dinheiro e a Santa Casa já disse que vai querer um desconto.

À espera da avaliação independente do Haitong, que deverá trazer maior clareza em relação àquilo que a Santa Casa poderá investir no Montepio, a Associação Mutualista tem já um valor fixado pelos 10% do banco que quer alienar à instituição liderada por Edmundo Martinho: 200 milhões de euros. E Tomás Correia parece pouco disponível para rever esta avaliação que tem implícita uma regra de três simples — se o banco está contabilizado no balanço da Mutualista em cerca de 2.000 milhões de euros, logo 10% custam 200 milhões. Simples? Não é bem assim.

Fontes do mercado explicaram ao ECO que valor contabilístico do Montepio não é o indicador mais razoável para calcular o valor justo do banco. Isto porque o valor patrimonial resulta de uma avaliação que a própria associação fez do banco num determinado momento no tempo. Além disso, também incorpora ativos intangíveis (como a marca e reputação, por exemplo) e que são de difícil mensuração, trazendo subjetividade a um exercício de avaliação de uma empresa.

Alternativamente, o mercado recorre com frequência a indicadores financeiros mais objetivos para isolar essa análise de elementos de dúvida. Desse modo, os investidores conseguem comparar determinada empresa com a avaliação que se faz dos pares: são os chamados múltiplos. Foi esse exercício que fizemos, com a ajuda de analistas.

Afinal, quanto vale?

Um analista esclareceu que o total dos capitais próprios do Montepio “é um bom proxy, uma boa aproximação ao valor do banco em termos daquilo que está a ser negociado nos mercados”. “Mas depois há muitas especificidades em cada banco, e isso pode fazer toda a diferença”, sinalizou a mesma fonte. Ou seja, este exercício também não está isento de “impurezas”.

Em todo o caso, essa informação está disponível na demonstração de resultados trimestrais do banco — aliás, é com base em dados na sua maioria já conhecidos que os especialistas do Haitong estão a fazer a sua análise. O Expresso revelou que não foi feita qualquer due dilligence, um procedimento habitual nestas avaliações e que iria permitir verificar toda e qualquer informação financeira.

Adiante. A 30 de setembro, o total dos capitais próprios do Montepio situava-se nos 1.764 milhões de euros. A partir deste valor é possível comparar com o BCP, por exemplo, que está cotado na bolsa portuguesa. O banco liderado por Nuno Amado apresentava-se na mesma data com capitais próprios de cerca de seis mil milhões de euros. Mas os investidores avaliam-no em apenas 4,3 mil milhões. Isto quer dizer que o mercado dá apenas 72% pelo banco face ao total dos capitais próprios, incorporando um múltiplo de 0,72.

Se aplicássemos o múltiplo do BCP ao Montepio, o banco da mutualista apresentar-se-ia com uma avaliação de 1.270 milhões de euros se estivesse cotado na bolsa. E, nesse caso, os 10% custariam aos cofres da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa aproximadamente 127 milhões de euros — acima, ainda assim, do teto de 75 milhões estabelecido pelo parecer não vinculativo da Santa Casa que recomenda que a Misericórdia não aplique mais do que 10% do seu ativo de 743 milhões de euros num único investimento.

Múltiplos para Santa Casa ver

Fonte: BCP e Reuters

Na Europa, o setor da banca está a negociar com um múltiplo mais alto, de 0,87 — o que na prática quer dizer que os investidores avaliam o setor a um nível mais próximo dos capitais próprios. Num exercício semelhante, este múltiplo europeu aplicado ao Montepio permitiria chegar a um valor de mercado de 1.500 milhões de euros. E, comparando com o setor espanhol, o múltiplo de 0,97 daria uma avaliação de 1.700 milhões de euros à Caixa Económica, a melhor avaliação de todas.

Explicou uma fonte do setor ao ECO: “Aplicando o múltiplo do BCP e da média espanhola e europeia, conseguimos ter uma amplitude razoável relativamente à avaliação do banco”. A Santa Casa decide até final do mês.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quanto vale o Montepio? Muito menos do que a Associação diz que vale

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião