Clubes portugueses faturam 568,7 milhões de euros em transferências internacionais em 2017

  • Lusa
  • 30 Janeiro 2018

A Inglaterra foi quem contribuiu mais para o excedente luso, tendo gastado 264,6 milhões de euros em contratações de jogadores oriundos de Portugal.

Os clubes portugueses de futebol registaram um saldo positivo de 707,5 milhões de dólares (568,7 milhões de euros ao câmbio atual), em transferências internacionais realizadas em 2017, indica um relatório divulgado esta terça-feira pela FIFA.

As equipas portuguesas foram as que lucraram mais com aquele tipo de transferências, num valor que representa mais de o triplo do que foi obtido pelo segundo país com melhor resultado, o Brasil, que ‘encaixou’ o equivalente a 182,3 milhões de euros.

O futebol mundial gastou um recorde absoluto de 6,37 mil milhões de euros no mercado de transferências em 2017, o que representa um aumento de 32,7% relativamente ao ano anterior, num total de 15.624 transações, também um novo máximo.

Portugal surge no segundo lugar da lista dos países que mais receberam por transferências internacionais de jogadores, com um total de 645,4 milhões de euros, apenas superado pela Espanha, cujos clubes receberam 675,5 milhões de euros.

Em contrapartida, as equipas nacionais gastaram significativamente menos em contratações de futebolistas a atuar em outro país, num total de 77 milhões de euros, ocupando o 11.º lugar da tabela que é liderada pela Inglaterra, com 1,32 mil milhões de euros.

A Inglaterra foi, precisamente, quem contribuiu mais para o superavit luso, tendo gastado 264,6 milhões de euros em contratações de jogadores oriundos de Portugal, o quarto país com maior número de atletas transferidos (537) e o terceiro a nível de contratações (580), numa lista liderada pelo Brasil em ambas as vertentes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Clubes portugueses faturam 568,7 milhões de euros em transferências internacionais em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião