Investimento imobiliário dispara para perto dos 2 mil milhões. Estrangeiros pesam 80%

  • Ana Batalha Oliveira
  • 31 Janeiro 2018

O investimento imobiliário bateu recordes em 2017 e chegou aos 1,9 mil milhões. Os ativos de retalho e escritórios são os que mais contribuem para o crescimento.

O volume de investimento no mercado imobiliário em Portugal chegou aos 1,9 mil milhões em 2017 — um valor inédito, nota a JLL, na apresentação do estudo Market 360.º, que cobre todas as áreas de investimento do imobiliário. Foi uma escalada de 50% desde o ano anterior, e foram os estrangeiros os que mais ajudaram na subida. Cerca de 80% do investimento teve origem internacional, e dirigiu-se sobretudo ao retalho e aos escritórios. Em 2018, a consultora imobiliária espera que a trajetória continue no mesmo sentido.

Portugal é visto como um investimento muito maduro” afirma Fernando Ferreira, responsável pela área de Capital Markets na JLL. “Grandes investidores querem algo mais rentável e retiram dinheiro de outras aplicações para apostar no imobiliário”, explica, justificando o valor de transação mais elevado desde que há registo, os 1,9 mil milhões de euros de 2017.

“O retalho continua a agregar o maior volume de investimento”, aponta o relatório, representando 35% do capital investido. A venda de grandes ativos neste setor contribuiu largamente para a ascensão do volume de investimento. Mariana Rosa, responsável de Office Agency e Corporate Solutions, realça a forma como novas zonas ganham vida, como é o caso do eixo ribeirinho, para onde se deslocou a EDP — e depois empresas como a Vieira de Almeida, WPP e Farfetch. Por oposição, a Expo já só tem uma disponibilidade inferior a 3%.

O retalho é seguido do setor dos escritórios, responsável por uma fatia de 31% da aposta em imobiliário. Neste campo, a captação de multinacionais tem sido um dos grandes motores. Contudo, Fernando Ferreira assinala a “pouca rotação” destes ativos e a “falta de oferta”.

Os centros comerciais e escritórios chegaram a “um empate” ao nível da yield prime, a taxa correspondente ao ativo de melhor desempenho de cada setor. Situou-se nos 4,75% em 2017. A taxa do comércio de rua ficou próxima, nos 4,5%. “As yields registaram novos mínimos históricos, revelando o forte apetite dos investidores, ao mesmo tempo que se mantêm superiores à maioria dos mercados europeus”, conta o relatório, realçando a liquidez dos mercados internacionais como mais um fator adjuvante na captação de investimento estrangeiro.

Os investidores domésticos também se revelaram bastante dinâmicos“, relata o estudo, apontando para um aumento no número de transações feitas por estes investidores, de 24% em 2015 para 45% em 2017. Apesar do número de transações, contribuíram apenas 20% para o total do volume investido.

No setor residencial, este desequilíbrio está a diminuir, pelo menos de acordo com a realidade da imobiliária. Na JLL, a percentagem de estrangeiros a adquirir habitação recuou dos 65% para os 57%, dado o aumento da procura doméstica por estes ativos. A procura interna “tem tendência a aumentar”, comenta Patrícia Barão, responsável pela área Residencial na JLL. Justifica com a maior liquidez — a concessão de créditos à habitação aumentou 44% entre 2017 e 2016 — mas também com o facto de o imobiliário ser um “refúgio seguro” face às condições de investimento pouco interessantes oferecidas pela banca.

Segundo a JLL, uma estimativa “contida” para o volume de investimento em 2018 são os 2,5 mil milhões. E “há quem diga três mil milhões”, avança Fernando Ferreira. Em parte, dadas as operações que não foram concluídas em 2017. “Existe produto”, assegura o responsável de Capital Markets, “há duas seguradoras neste momento no mercado com portefólios”, que, acredita, contribuirão para aumentar bastante a fasquia do ano corrente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento imobiliário dispara para perto dos 2 mil milhões. Estrangeiros pesam 80%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião