Linklaters reforça equipas de Imobiliário e Concorrência

Evo Fernandes integra a equipa de Real Estate. Duarte Peres junta-se ao departamento de Competition & Antitrust.

O novo membro da equipa de Real Estate, Evo Fernandes, é advogado desde 2010 e a sua principal atividade foca-se no apoio a transações e projetos imobiliários, abrangendo aspetos relacionados com a construção, instalação, gestão e implementação de empreendimentos imobiliários.

A sua experiência relevante inclui assessoria em transações e projetos imobiliários, nomeadamente aquisições, operações de venda e arrendamento, envolvendo a negociação de todos os tipos de contratos imobiliários. Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Evo Fernandes concluiu o “Curso Avançado sobre Licenças e Atividades Económicas: Licenciamento Zero e Diretiva de Serviços” e o curso de pós-graduação sobre “Direito do Urbanismo e da Construção”, ambos na mesma faculdade. O novo advogado da Linklaters é mestre em “Direito Internacional e Direitos Humanos” pela Universidade das Nações Unidas para a Paz, na Costa Rica.

“O reforço da equipa de Real Estate do escritório da Linklaters em Lisboa, é uma resposta ao crescimento exponencial do trabalho nesta área”, diz comunicado da sociedade. Para o coordenador da equipa Diogo Plantier Santos, “a entrada do Evo é um importante contributo para que possamos continuar a responder ao aumento das solicitações dos nossos clientes em assuntos desta natureza, bem como para assessorar novos projetos imobiliários que estão a ser desenvolvidos em Portugal, muitos incluindo estruturas de aquisição e financiamento cada vez mais complexas. A entrada do Evo, com vasta experiência e conhecimento nestas matérias, vem ajudar a equipa a acompanhar estes novas tendências, e é também reflexo da aposta da Linklaters na área de Real Estate”.

Duarte Peres, que acaba de reforçar a equipa de Competition & Antitrust, é licenciado pela Faculdade de Direito da Universidade Católica, tem um LLM em Tillburg, na Holanda e duas pós-graduações nas áreas do direito europeu e da concorrência – “Direito da Concorrência e Regulação” e “Direito Europeu e Jurisprudência do Tribunal de Justiça da União Europeia”, pela Universidade de Direito da Faculdade de Lisboa.

Duarte Peres tem experiência em assuntos relacionados com procedimentos sancionatórios por práticas restritivas da concorrência, controlo de concentrações e telecomunicações e media. Para o responsável do departamento de Competition & Antitrust da Linklaters Carlos Pinto Correia, “a contratação de um advogado com as características do Duarte integra-se na nossa estratégia de crescimento da equipa e é uma resposta ao aumento do trabalho, nomeadamente em temas de controle de concentrações no âmbito de transações de M&A e questões de regulação em setores como a energia e telecomunicações”.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Linklaters reforça equipas de Imobiliário e Concorrência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião