MLGTS, Cuatrecasas e Linklaters na insolvência da Artlant

MLGTS esteve do lado da Indorama na aquisição dos ativos da Artlant PTA e da Artelia Ambiente, a Cuatrecasas da parte da Veolia e a Linklaters da parte da CGD, o maior credor da Artlant.

Uma equipa multidisciplinar da MLGTS coordenada pelos sócios Eduardo Paulino (M&A), Ricardo Andrade Amaro (M&A e Energia), Magda Fernandes (Insolvência e Restruturações) e Rita Ferreira Vicente (Imobiliário) assessorou a Indorama Ventures na aquisição dos ativos da Artlant PTA e da Artelia Ambiente.

A Artlant PTA encontrava-se em processo de insolvência desde o verão, naquele que era o maior processo instaurado nos tribunais portugueses, com créditos reclamados em valor superior a 600 milhões de euros. Os ativos da Artlant, compostos por uma fábrica de ácido tereftálico e demais instalações conexas, dependiam para operar de uma central de cogeração e de tratamento de águas construída e detida pelo grupo francês Veolia.

A aquisição pela Indorama destes dois importantes ativos processou-se assim no contexto da insolvência da Artlant PTA, mas implicou também a negociação com o grupo Veolia para a aquisição simultânea, fora daquele processo, da central de cogeração e de tratamento de águas.

A Veolia foi assessorada pela sua equipa de advogados internos e ainda por uma equipa da Cuatrecasas.

A Cuatrecasas assessorou o grupo Veolia Environnement desde 2008 na implementação, desenvolvimento e operação da central de cogeração e utilidades de Sines e na respectiva venda à Indorama. A equipa foi coordenada pelo sócio Francisco Santos Costa incluindo também os associados Lourenço Corte-Real, de Direito Societário, e Sara Quaresma, de Imobiliário.

A Caixa Geral de Depósitos, o maior credor da Artlant, contou com o apoio da Linklaters. A equipa foi liderada pelos sócios Nuno Ferreira Lousa (responsável pelo departamento de Contencioso) e Marcos Sousa Monteiro (responsável pelo departamento de Corporate Finance), integrando ainda os advogados Diogo Plantier Santos e Diogo Barros Pereira (de Corporate Finance) e Manuel de Abreu Castelo Branco (de Contencioso).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

MLGTS, Cuatrecasas e Linklaters na insolvência da Artlant

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião