Depois do rally de dezembro, bitcoin volta aos 9.000 dólares

  • Juliana Nogueira Santos
  • 1 Fevereiro 2018

A moeda virtual mais popular do mundo segue a cair 6% para os 9.540 dólares. Já não se comprava bitcoin tão barata desde novembro de 2017.

Dezembro de 2017 foi um mês de triunfos e perdas para a bitcoin. Em cerca de quatro dias, a moeda virtual mais popular do mundo duplicou de valor, chegando perto de cotar nos 20 mil dólares. No final do ano, a escalada deu lugar às quedas, tendo passado de 2017 para 2018 a cotar nos 12 mil dólares. Agora caiu abaixo dos 10 mil.

Com a regulação a apertar e vários olhos postos neste fenómeno, a pressão compradora que assolava a bitcoin tem vindo a ser refreada, sendo que esta quinta-feira segue a desvalorizar mais de 6% para 9.540 dólares. Já não se comprava moeda a um preço tão baixo desde 26 de novembro de 2017, segundo as cotações da Reuters.

Bitcoin volta a estar abaixo dos 10.000 dólares

Fonte: Reuters

Entre as moedas digitais mais populares, a única que segue a valorizar é a Ethereum. Segundo as cotações do Coinmarketcap, a segunda criptomoeda mais famosa avança mais de 2% para 1.124,32 dólares.

De resto, a Ripple cai 7% para 1,06 dólares, a Bitcoin Cash perde os mesmos 7% para 1.389 dólares e a Litecoin desliza 6,5% para os 153,26 dólares.

O cerco às moedas digitais continua a ficar mais apertado, com a atenção dos reguladores a estar mais focada na implementação de regras à negociação. Também as tecnológicas, como é o caso da Facebook, estão atentas aos mercados, sendo que esta já proibiu os anúncios relativos à negociação e mineração de criptomoedas.

Ao ECO, Richard Thaler, laureado com o Nobel da Economia em 2017, disse que o único mercado onde atualmente consegue observar a formação de uma bolha é “na bitcoin e nas suas irmãs”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois do rally de dezembro, bitcoin volta aos 9.000 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião