Gulbenkian prepara venda do negócio do petróleo a uma empresa chinesa

A Fundação Calouste Gulbenkian está a negociar a venda das suas participações no negócio dos petróleos aos chineses que compraram os seguros ao Montepio.

O negócio ainda não está ultimado, mas já estará em fase adiantada. Segundo um comunicado a Fundação Calouste Gulbenkian está a vender a posição que detém na Partex. De acordo com o jornal Expresso (acesso pago) os interessados são os chineses da CEFC China Energy, que tem sede em Xangai e que compraram os seguros ao Montepio. O semanário acrescenta ainda que o valor do encaixe financeiro será reinvestido noutros ativos.

“A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a equacionar a alienação dos investimentos nos combustíveis fósseis (que representam cerca de 18% dos ativos em 2017), tendo em conta uma nova matriz energética e os seus objetivos em prol da sustentabilidade, na linha do movimento internacional seguido por outras fundações”, escreve a fundação em comunicado enviado às redações.

O interesse na posição que a fundação tem na Partex não é de agora. Segundo o mesmo comunicado, a Gulbenkian “tem recebido, ao longo dos anos, várias manifestações de interesse para a alienação da sua participação na Partex, traduzindo o reconhecimento internacional da qualidade da empresa”. Mas, segundo apurou o ECO, essas manifestações de interesse não estavam à altura da qualidade da Partex. Agora, os chineses da CEFC China Energy apresentaram uma proposta, confirmou também o ECO, que vale a pena considerar.

[A Fundação] recentemente, recebeu uma oferta de compra e encontra-se neste momento em processo de negociações com o grupo interessado.

Comunicado da Fundação Calouste Gulbenkian

Para já não há timings para a negociação, apenas conversas, que já se arrastam há alguns meses. O conhecimento destas negociações por parte de vários players do mercado levou a Fundação a avançar com o comunicado desta tarde. O documento confirma que a Fundação “recentemente, recebeu uma oferta de compra e encontra-se neste momento em processo de negociações com o grupo interessado”. “Findo o processo de análise de todas as condições, será tomada uma decisão de acordo com a defesa dos melhores interesses da Fundação”, acrescenta o mesmo press.

Recorde-se que em junho do ano passado, a Gulbenkian avançou que estava a avaliar a entrada de grupos internacionais, com interesses no Médio Oriente, na petrolífera Partex.

A Fundação Calouste Gulbenkian detém 100% do capital da Partex, que é liderada por António Costa Silva. A petrolífera foi fundada em 1938, por Calouste Gulbenkian, que até então “tinha sido o grande promotor da criação da Iraq Petroleum Company, uma empresa que reuniu os interesses das empresas que hoje se chamam BP, Shell, Total, Exxon Mobil, e onde ficou com 5%, passando a ser conhecido como o “Mister Five Per Cent”. Foi a Iraq Petroleum Company que iniciou toda a atividade da indústria petrolífera no Médio Oriente, juntando como parceiros o Iraque, Qatar, Abu Dhabi e Omã.

A Calouste Gulbenkian entrou na Iraq Petroleum Company em nome individual, mas depois criou a empresa Participations and Explorations, daí o nome Partex, que assinou em 1939 a primeira concessão com Abu Dhabi.

Com a nacionalização de 60% da concessão em 1971, surgiu a empresa nacional ADNOC em Abu Dhabi, diminuindo a participação de todos os acionistas, o que no caso da Partex representou uma redução de 5% para 2%. A ADNOC produz cerca de 1,5 milhões de barris de petróleo por dia, sendo a Partex titular de cerca de 30 mil barris de crude por dia.

A Gulbenkian garante que “em caso de acordo nas negociações” — que não é garantido –, “a recomposição do património da Fundação continuará, como no passado, a garantir a realização de todas as atividades filantrópicas da instituição que Calouste Gulbenkian quis ver como perpétua e destinada ao bem da humanidade”.

Em caso de acordo nas negociações a recomposição do património da Fundação continuará, como no passado, a garantir a realização de todas as atividades filantrópicas da instituição que Calouste Gulbenkian.

Comunicado da Fundação Calouste Gulbenkian

Isabel Mota, quando assumiu a presidência da Fundação Calouste Gulbenkian, em maio do ano passado, elegeu a ação social como uma das prioridades para o seu mandato à frente da instituição sem fins lucrativos com 60 anos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gulbenkian prepara venda do negócio do petróleo a uma empresa chinesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião