Câmara de Lisboa devolve taxa de proteção civil por vale postal e sem juros

  • ECO
  • 5 Fevereiro 2018

É já na segunda quinzena de fevereiro que os lisboetas vão começar a receber os valores cobrados indevidamente pela taxa de proteção civil. Mas não vão ter direito a juros.

O montante cobrado indevidamente pela Câmara Municipal de Lisboa, durante três anos, através da aplicação da taxa municipal de proteção civil vai começar a ser devolvida, na maior parte dos casos (92%) através de vale postal, durante a segunda quinzena de fevereiro, avança esta segunda-feira o Diário de Notícias.

No total vão ser devolvidos 58,6 milhões de euros cobrados indevidamente pela câmara entre 2015 e 2017, mas não haverá direito ao pagamento de juros. A maioria dos lisboetas vai receber cerca de 270 euros, o correspondente a 90 euros por ano, mas também haverá casos de quem receba dois vales de 2.500 euros porque está em causa um montante de cinco mil euros. A opção pela segunda quinzena do mês assenta na tentativa de esta devolução não coincidir com os vales dos pensionistas.

Os cerca de 204.941 contribuintes que vão receber por vale postal podem levantar o dinheiro nos correios ou optar por depositar o dinheiro. Já quem tem a receber valores superiores a cinco mil euros vão ser contactados pela câmara para que a devolução seja feita por transferência bancária. O mesmo processo será aplicado a quem vive no estrangeiro. Em causa estão 3.800 pessoas. Já quem tem dívidas à câmara (14.300 pessoas) também não vai receber o vale postal.

A Câmara Municipal de Lisboa foi obrigada pelo Tribunal Constitucional a devolver o dinheiro desta taxa criada para remunerar “serviços de quem garante a segurança de pessoas e bens”. Na base da decisão do Constitucional estava o facto de a taxa ser na realidade um imposto, competência da Assembleia da República.

A devolução, que a câmara cingirá aos montantes efetivamente pagos, sem lugar a juros (tem o suporte de três acórdãos do TC sobre situações idênticas), vai criar um buraco nas contas de 80 milhões de euros. Mas se em 2018 a situação financeira do município está controlada, a câmara não esconde que via ter de encontrar uma forma de equilibrar a relação entre receitas e despesas.

 

 

 

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa devolve taxa de proteção civil por vale postal e sem juros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião