Devolução da taxa de proteção civil: Câmara de Lisboa vai processar o Estado

Fernando Medina fala em quebra de confiança política no Estado e que não pode ser deixado impune o chumbo do Tribunal Constitucional à taxa de proteção civil.

A Câmara Municipal de Lisboa vai avançar para os tribunais e processar o Estado no seguimento do chumbo do Tribunal Constitucional à taxa municipal de proteção civil e à determinação da devolução aos munícipes dos valores já cobrados. Fernando Medina fala em quebra de confiança política no Estado.

“Choca de frente com o que tem sido toda a doutrina que o Estado legislador tem vindo a fazer”, disse à TVI24 o autarca da capital relativamente ao recuo numa taxa que foi aprovada há mais de uma década pelo Parlamento. “De certa forma houve uma falha de confiança enorme no Estado legislador, que nos disse que é este o caminho, e doze anos depois vem o Estado judicial dizer que é completamente inconstitucional”, criticou ainda.

De certa forma houve uma falha de confiança enorme no Estado legislador, que nos disse que é este o caminho, e doze anos depois vem o Estado judicial dizer que é completamente inconstitucional.

Fernando Medina

Presidente da CML

Em causa está a devolução de um total 58,6 milhões de euros que foram considerados como tendo sido cobrados indevidamente pela Câmara de Lisboa entre 2015 e 2017 pelo Tribunal Constitucional. Este considerou que se trata de um imposto, competência da Assembleia da República, declarando consequentemente inconstitucionais algumas normas que constam do regulamento municipal desta taxa.

Apesar de ter decidido devolver aos munícipes lisboetas o valor em causa, Fernando Medina diz que a CML pretende agora avançar para tribunal e processar o Estado. “Neste caso o que nos resta é uma ação legal relativamente ao passado porque há aqui uma violação do princípio básico da confiança no quadro em que nós funcionamos e o Estado tem de funcionar”, disse o autarca à TVI24.

O edil lisboeta remeteu também para o Parlamento português a necessidade de agir nesse âmbito. “O Parlamento tem uma responsabilidade séria e importante. Está em cima da mesa uma nova lei das Finanças Locais. É o tempo ainda para o Parlamento corrigir esse ponto que o Tribunal Constitucional veio levantar nesse momento”, conclui Medina.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Devolução da taxa de proteção civil: Câmara de Lisboa vai processar o Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião