Um projeto do mundo inspirado na tradição portuguesa

Christian e Patricia criaram a Pack Deco, um projeto em que fotografam produtos tradicionais de todo o mundo com o objetivo de não os deixar cair no esquecimento.

Este projeto nasceu inspirado na tradição portuguesa, mas foi posto em prática por um italiano e uma americana. Deslocados de casa e a viver em Portugal, o casal coleciona produtos das marcas mais tradicionais, conseguidos durante as viagens que vai fazendo, publicando-os depois numa página das redes sociais que criaram para o projeto, com o objetivo de ajudar a que não caiam no esquecimento.

Christian Vismara mudou-se para terras lusitanas há quase quatro anos, para frequentar o mestrado em Engenharia Informática. Com o curso completo, voltou a Itália mas ficou a gostar tanto de Portugal que decidiu regressar passados alguns meses. Desde que voltou, sempre houve algo que o cativou na capital: a cultura e as tradições. Certo dia, decidiu começar a colecionar produtos tradicionais portugueses, muitos deles quase em extinção. A inspiração nasceu na pasta medicinal Couto, criada em 1932, e não tardou até se juntarem mais produtos à coleção, e mais países. Chegavam produtos de todos os cantos do mundo, das viagens que ia fazendo e outros trazidos por amigos. A certa altura, surgiu a ideia.

Pasta Medicinal Couto.Pack Deco

Quando cheguei a Portugal, pela primeira vez, percebi que Lisboa era uma cidade com muita tradição e que muitas partes da cidade ainda mantinham a sua ‘forma’ original. Já estava a colecionar esse tipo de produtos só para mim. Então falei com a minha namorada e ela também gostou da ideia”, conta ao ECO o fundador da Pack Deco. “Então pensei: ‘Porque não partilhar isto com outras pessoas’?” Nasceu assim o projeto Pack Deco, onde Christian e a namorada, Patricia Keleher, bailarina na Companhia Nacional de Bailado, fotografam produtos tradicionais e publicam-nos na página do Instagram.

O nome para o projeto — Pack Deco –, deriva de “packaging” (nomes atribuídos aos produtos) e “deco”, com um “sabor mais vintage”. A ideia, explicam os fundadores, tem como base dois pontos: o “gosto pelo design e pela estética dos produtos“, que dizem poder servir como objetos de decoração, e o facto de acreditarem “na história por trás desses produtos“. “A pasta Couto foi a inspiração do projeto, nós tentamos ajudar esse tipo de marcas ao dar o nosso contributo para as ajudar a sobreviver no mercado de hoje, controlado maioritariamente pelas multinacionais. Como se torna mais difícil para essas marcas apostarem no marketing, tentamos ajudar com isso“, conta Christian.

Christian Vismara e Patricia Keleher, fundadores do projeto.Bruno Simão

Olhando para as fotos tiradas pelo casal de namorados e empreendedores, a ideia que fica é a de um trabalho profissional, realizado num estúdio. No entanto, ambos desmitificam. “É tudo feito no meu quarto. Colocamos um papel colorido atrás do produto e as fotos são tiradas com o iPhone, tudo muito simples. No final damos uns toques da edição, mas nada profissional. Tudo o que sabemos, fomos aprendendo com a prática“, revelam. E, apesar de não ser nada profissional, o projeto já conta com algum investimento. Dos cerca de 150 produtos comprados por Christian e Patricia, foram investidos “à volta de 600 euros, sendo que, em média, cada um custa cinco euros”.

Mas os projetos não ficam por aqui. Em breve, a equipa da Pack Deco pretende tornar as fotos em posters e vendê-los, dado os vários pedidos que têm recebido. “Muitas pessoas têm-nos perguntado se podíamos partilhar as imagens em alta resolução, para depois imprimirem. Foi aí que pensámos: ‘Porque não as imprimirmos nós e vendemo-las?‘”, lembra. Ao mesmo tempo, diz, “acaba por funcionar com publicidade para o projeto”. Para além disso, está também em cima da mesa a ideia de revender os produtos, uma vez que “são quase impossíveis de encontrar na Internet“. Por último, mas não menos importante, o jovem casal conta que um dos desafios que tem pairado sobre ambos é o de escrever um livro com a história de cada produto.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um projeto do mundo inspirado na tradição portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião