“Portugal, o outro país do design”, diz o Le Monde

  • ECO
  • 13 Junho 2017

O jornal francês dá destaque ao design nacional num artigo que intitula Lisboa, Porto e Braga como os novos "tanques criadores" do mundo do design.

O jornal francês Le Monde está atento a Portugal — nomeadamente, no que toca ao design. Dá destaque a espaços em Lisboa, Porto e Braga onde as obras de design se fazem de cortiça, madeira, vidro ou cerâmica. O artesanato local é outro dos pontos fortes.

Portugal convida os estrangeiros à visita, mas as marcas de design não se cingem às fronteiras. Segundo o Le Monde, estas são cada vez mais procuradas “em todas as feiras pela Europa”, com o selo Inspiring Portugal. Em abril, as peças em vidro dos jovens designers portugueses brilharam na Semana do Design de Milão. Em maio, a marca A Vida Portuguesa associou-se à loja parisiense O Tesouro para ser palco a mais jovens talentos.

Já existiam alguns marcos no design em Portugal, como a coleção de loiça da autoria da designer Raquel Castro e de Francisco Vieira Martins que o MOMA, o Museu de Arte Moderna de Nova Iorque quis exibir. A cadeira Gonçalo, da marca Arcalo, é presença obrigatória nas esplanadas de norte a sul. Mas os sucessos continuam a emergir, tanto pelo Príncipe Real em Lisboa, como na galeria Show Me em Braga ou no Porto, considerado o berço.

Quem o diz é o Le Monde: “Portugal está bem preparado para finalmente colocar sua marca no setor“. Os materiais de sempre — cortiça, vidro, cerâmica — a técnica de artesanato e o passado industrial do país podem agora transformar-se à luz da cultura contemporânea e projetar assim o design nacional. O jornal destaca ainda o papel do designer Marco Sousa Santos na projeção do da atividade, que tem promovido através de projetos como o Proto Design ou o bienal Experimenta Design.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Portugal, o outro país do design”, diz o Le Monde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião