Lesados do BES podem começar a receber em abril

Ainda há "formalidades legais a cumprir e prazos legais e contratuais a respeitar", mas a Patris admite que o fundo de recuperação de créditos "possa estar constituído no próximo mês de abril".

Os detentores de papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES) deverão receber o primeiro reembolso em abril, altura em que o fundo de recuperação de créditos for constituído. A informação foi avançada, na quarta-feira, pela Patris, a sociedade que gere este fundo.

“O modelo de solução concebido para minorar as perdas dos Investidores Não Qualificados de Papel Comercial (INQCP) e decorrente do Procedimento de Diálogo estabelecido entre o Governo de Portugal, o Banco de Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o BES e a Associação de Indignados e Enganados do Papel Comercial (AIEPC), que vem sendo implementado, aproxima-se da sua fase final de concretização“, pode ler-se numa nota publicada no site oficial da gestora.

Para já, ainda há “formalidades legais a cumprir e prazos legais e contratuais a respeitar”. Mas a Patris admite que “o fundo possa estar constituído no próximo mês de abril”, salientando que “o pagamento da primeira prestação está dependente da constituição do fundo e será efetuado no âmbito da constituição do mesmo, sendo apenas nesse momento o respetivo montante disponibilizado à Patris”.

O anúncio surge depois de, no final de janeiro, o Governo ter alterado a portaria que enquadra o financiamento das compensações aos lesados do papel, permitindo que o Estado possa conceder ao fundo de recuperação de créditos o dinheiro necessário para o pagamento destas compensações.

O Estado poderá assumir garantias públicas de até 301 milhões de euros ao fundo de recuperação de créditos. Depois da publicação desta portaria em Diário da República, a Patris passou a poder pedir a concessão desta garantia.

Faltam cumprir, pelo menos, sete passos, segundo a informação divulgada pela Patris:

  1. Entrega, por parte da Patris, do pedido de autorização da oferta de subscrição;
  2. Ato expresso da CMVM comprovando a verificação de todos os pressupostos e condições da autorização concedida e permitindo a realização da oferta;
  3. Preparação de cada contrato de adesão com base nas autorizaçõs concedidas e em minuta já existente;
  4. Assinatura dos contratos de adesão, durante o período de subscrição que será divulgado em breve;
  5. Entrega de documentação por parte dos lesados que queiram aderir à solução na Patris;
  6. Validação de toda a documentação entregue pelos lesados, por parte da Patris, para verificação da respetiva elegibilidade;
  7. Verificação, por parte da Patris, do preenchimento da cláusula de sucesso que permite a constituição do fundo.

Depois de cumpridos estes requisitos e “cumprindo-se os prazos legais”, o fundo poderá ser “efetivamente constituído”.

A Patris alerta ainda que “a reclamação dos créditos dos INQPC nos processos de insolvência da Espírito Santo International e da Rioforte, bem como no processo de liquidação do BES, é condição essencial para poder participar no fundo”. O prazo para apresentar reclamações de créditos termina no dia 12 de fevereiro.

Notícia atualizada às 17h07 com mais informação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lesados do BES podem começar a receber em abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião