TAP, CTT, PT, Novo Banco ou TDT… Geringonça já quis nacionalizar duas dezenas de empresas

  • ECO
  • 8 Fevereiro 2018

A última proposta foi a do Bloco para se nacionalizar a TDT e o SIRESP. Mas o PS, PCP e BE já propuseram (e por vezes concretizaram) a nacionalização de muito mais empresas. Fomos contá-las.

Se as propostas eleitorais do PS para reduzir temporariamente a taxa social única e para cortar as pensões futuras podiam ter inviabilizado o acordo que hoje dá maioria parlamentar ao Governo, o tema “nacionalizações” não lhes ficava atrás. A 14 de setembro de 2015, a menos de um mês das últimas eleições legislativas, o candidato António Costa enfrentava a adversária Catarina Martins num debate televisivo. Nos minutos finais, dizia à líder do Bloco de Esquerda, sobre a possibilidade de um acordo à esquerda:

"À partida, não excluo ninguém. Tenho é pouca esperança, porque a experiência não tem sido favorável. Pego no programa do Bloco de Esquerda e vejo assim: propõe-se iniciar a nacionalização da banca. Propõe nacionalizar a Galp, a EDP e a REN. E eu pergunto: quanto é que custa começar a nacionalizar a banca, nacionalizar a EDP, a REN e a Galp? (…) O problema com a retórica é este. Temos de ter programas focados nos problemas das pessoas.”

António Costa, primeiro-ministro

Em debate com Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda

A falta de esperança desvaneceu-se e o Governo liderado por António Costa até já foi responsável pela reversão de cinco privatizações feitas no tempo de Pedro Passos Coelho. Teria revertido muitas mais, se atendesse à vontade dos parceiros à esquerda, e mesmo da do PS. Desde que a atual solução governativa está no poder, PS, PCP e Bloco de Esquerda já propuseram a nacionalização de mais duas dezenas de entidades, a última ainda na semana passada. O BE apresentou uma proposta de lei para nacionalizar a gestão da rede básica de telecomunicações, onde se inclui a televisão digital terrestre (TDT) e o Sistema Integrado para a Rede de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP).

A Altice ficou de tal forma indignada com a proposta que pediu uma audição a Eduardo Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República. A dona da PT tem andado desatenta: não só não é a primeira vez que a esquerda propõe alterações à gestão da TDT ou do SIRESP, como há mesmo projetos para trazer toda a estrutura da PT, e não apenas os serviços por ela prestados, de volta para o domínio público. Há outros casos não menos emblemáticos: TAP, CTT, Novo Banco e transportes públicos de Lisboa e do Porto, por exemplo. Desde setores inteiros, como o energético, até às Pousadas de Juventude, o dossier de reivindicações de nacionalizações por parte dos partidos da esquerda é extenso.

PT, SIRESP, TDT, CTT… e o setor todo

Antes da proposta apresentada esta semana, já o PCP tinha, em 2016, apresentado um projeto de lei para garantir o acesso universal à TDT, serviço assegurado pela PT Comunicações, e o alargamento da oferta televisiva a todos os canais do serviço público. O próprio BE propôs, nesse mesmo ano, o controlo do preço da prestação do serviço de transporte e difusão do sinal de TDT. Ambos os projetos foram aprovados, num texto conjunto.

No ano passado, quando a transmissão de trabalhadores da PT para outras empresas do grupo Altice começou a marcar a agenda política, o PCP avançou com um projeto de resolução onde recomendou ao Governo “que inicie o processo de regresso da PT ao controlo público“. O SIRESP também foi alvo de propostas de nacionalização: poucos dias após os incêndios de junho, cuja dimensão resultou, em parte, de falhas no SIRESP, o Bloco propôs o resgate deste sistema de comunicações de emergência, cuja infraestrutura é fornecida pela PT, para o Estado.

Estes são os casos específicos em que os dois partidos defendem a nacionalização ou a gestão pública de serviços. Na verdade, a nacionalização de todo o setor das telecomunicações foi uma das propostas do PCP durante a campanha para as eleições legislativas de 2015. No capítulo que dedicou aos transportes e comunicações, no seu programa eleitoral, o PCP defendeu a “reconstrução de um forte setor público, universal e de qualidade de comunicações como condição para o desenvolvimento e a soberania do País, com a recuperação do controlo público do setor (telecomunicações, comunicações, serviço postal e respetivas infraestruturas) cuja privatização da PT e dos CTT comprometeu”.

O tema CTT voltou em força para o centro da mesa nos últimos meses, numa altura em que a empresa de serviços postais está a meio de um processo de reestruturação. Comunistas e bloquistas já pediram a reversão da privatização dos CTT e recuperação do controlo público da empresa. Mesmo o PS já recomendou ao Governo que “promova uma avaliação das responsabilidades contratuais subjacentes à concessão em vigor entre o Estado e os CTT”. E admite ponderar “os possíveis modelos e respetivas consequências resultantes da conclusão do contrato de concessão, bem como as alternativas de outra natureza que se colocam”.

O subtotal: PT + SIRESP + CTT + TDT = 4 nacionalizações

A recuperação do controlo público da banca

O Novo Banco marcou uma das grandes divergências entre PCP, BE e Governo. A instituição que nasceu da resolução do Banco Espírito Santo (BES) foi oficialmente vendida em outubro do ano passado, com a entrega de 75% do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star. Mas o processo esteve longe de ser pacífico. Bloquistas e comunistas rejeitam que um banco onde se injetaram milhares de milhões de capitais públicos seja privado, opuseram-se à venda e pediram a nacionalização do banco.

Mas a estratégia de nacionalização do PCP e do BE para a banca vai para lá do Novo Banco. Durante a campanha das legislativas de 2015, o Bloco propôs “um sistema bancário detido pelo Estado e submetido a critérios e objetivos determinados pelo mandato político e não pelo estrito interesse de acionistas privados”. Uma das medidas para alterar o controlo do sistema bancário seria a “conversão em propriedade estatal dos benefícios ou créditos fiscais contabilizáveis como fundos próprios dos bancos, um primeiro passo para a nacionalização dos meses”.

A “recuperação do controlo público da banca” também ocupou espaço no programa eleitoral do PCP, que, para além dos bancos, defendeu ainda a reversão das privatizações da Caixa Seguros e da Fidelidade. “O Estado, além da CGD, deve assumir participação na propriedade e responsabilidades de administração direta em bancos e outras instituições financeiras recapitalizados ou auxiliados com fundos públicos e adquirir progressivamente o controlo público da banca, por via de nacionalizações, aquisições, negociação adequada ou intervenção de emergência”. Esta intenção de nacionalizar os bancos que já foram recapitalizados pelo Estado abrangeria o BCP e o BPI (que já reembolsaram os empréstimos, mas que receberam ajudas públicas), bem como os já falidos (ou integrados noutros bancos) BPN, BPP e Banif.

O subtotal da banca: Novo Banco + BCP + BPI + Caixa Seguros + Fidelidade = 5 nacionalizações

Nacionalizar a energia para acabar com a desregulação

Tal como na banca, o projeto da esquerda para a energia passa por nacionalizar todo o setor, uma proposta recorrente nos programas eleitorais tanto do BE como do PCP. “O Bloco compromete-se com uma política de nacionalização do setor da energia, para impedir a desregulação e a ineficiência, garantindo o controlo público sobre as empresas do setor. Assim, o capital público deve voltar a ser maioritário na Galp, na EDP e na REN”, pode ler-se no programa eleitoral de 2015 do BE.

Também o PCP defendeu, no último programa eleitoral, a anulação da “privatização da totalidade ou das participações que restavam do Estado no capital de empresas estratégicas, como a Cimpor, EDP, REN, Galp, PT, ANA, CTT, EGF, Caixa Seguros, Fidelidade, e outras mais em curso ou indiciadas”. O partido defende a “reversão deste processo, com vista a assegurar o controlo público, com um forte condicionamento regulamentar e de regulação, e proceder por negociação adequada com os seus titulares, por nacionalização ou outros instrumentos, à sua inclusão no setor dos meios de produção públicos / setor empresarial do Estado conforme o ordenamento constitucional”.

À falta de respostas aos pedidos de nacionalização de setores inteiros, os partidos avançam com propostas mais concretas. No ano passado, o PCP apresentou um projeto para nacionalizar a Central de Despacho da REN, a infraestrutura que assegura o funcionamento do sistema elétrico nacional. Um ano antes, tinha apresentado um projeto para vedar “a empresas privadas e a outras entidades da mesma natureza o acesso às atividades económicas de abastecimento público de água, de saneamento de águas residuais urbanas e de gestão de resíduos urbanos”.

O subtotal da energia: EDP + REN+ Galp = 3 nacionalizações

E os extra do PCP: Cimpor + ANA + EGF = 3 nacionalizações

Transportes públicos têm de ser… públicos

Era uma das grandes bandeiras dos programas eleitorais do PS, PCP e BE: manter a TAP na esfera pública, revertendo o processo de privatização iniciado pelo Governo PSD/CDS-PP. A promessa acabou mesmo por se concretizar e a companhia aérea é agora detida em 50% pelo Estado, 45% pelo consórcio privado Atlantic Gateway e 5% pelos trabalhadores da empresa.

A lista de reversões de negócios feitos pelo anterior Governo na área dos transportes é extensa. Foi também na legislatura de Pedro Passos Coelho que ficou decidida a subconcessão da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) e da Metro do Porto à Alsa e à Transdev, empresas privadas que foram escolhidas num ajuste direto onde foram detetadas várias alegadas irregularidades. A subconcessão da Carris e da Metropolitano de Lisboa foi entregue à espanhola Avanza, detida pelo grupo mexicano ADO, num negócio que, segundo os cálculos do anterior Governo, iria representar uma poupança de 25 milhões de euros para o Estado.

Estas concessões acabaram por ser todas anuladas em 2016, com um projeto conjunto do PS e do PEV, aprovado na Assembleia da República. No ano passado, a gestão da STCP foi transferida para as autarquias do Porto e a subconcessão da Metro do Porto foi atribuída à Barraqueiro. Já em Lisboa, o Metro deixou de ser concessionado a terceiros e a gestão da Carris não só foi transferida para a Câmara de Lisboa, como se garantiu que a empresa irá manter-se na esfera pública.

O diploma da transferência da Carris para a autarquia chegou a ser vetado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que discordou do “regime que proíbe qualquer concessão da Carris, mesmo que tal possa vir a corresponder um dia à vontade da autarquia local”. PS, PCP, BE e PEV acabaram por encontrar uma solução para contornar o veto, passando a permitir a possibilidade de haver alienação de capital ou de concessão da Carris. Com uma condição: limitar essa alienação ou concessão “a entidades públicas ou de capitais públicos”.

O subtotal dos transportes: TAP + STCP + Metro do Porto + Metro de Lisboa + Carris = 5 nacionalizações

Gestão pública dos hospitais públicos

Na saúde, a luta é contra a gestão privada de hospitais públicos. Em 2013, o Governo PSD/CDS-PP “reorganizou” a rede hospitalar através da entrega às respetivas Santas Casas da Misericórdia de vários hospitais. Em 2015, BE, PCP e Verdes propuseram o regresso à gestão pública de sete hospitais: Anadia, Santo Tirso, São João da Madeira, Fafe, Serpa, Cantanhede e Fundão.

Dois bónus

Há ainda os casos isolados de empresas ou entidades que não são consideradas estratégicas, mas que também motivaram propostas de nacionalização. É o caso das Pousadas de Juventude, algumas concessionadas em 2015. O BE propôs anular todas as concessões já concretizadas das Pousadas de Juventude a entidades privadas e impedir o lançamento de mais concursos de concessão, conseguindo fazer aprovar este segundo ponto. É também o caso da gestão das cantinas escolares, que tanto bloquistas como comunistas pedem que seja pública.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

TAP, CTT, PT, Novo Banco ou TDT… Geringonça já quis nacionalizar duas dezenas de empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião