Nacionalização soft do SIRESP pouparia 7,6 milhões de euros

  • ECO
  • 11 Julho 2017

O Governo anterior equacionou fazer uma nacionalização que não incomodasse aos privados. O relatório da renegociação do contrato do SIRESP revela que a poupança seria de 7,6 milhões de euros.

Um SIRESP público podia custar menos 7,6 milhões de euros ao Estado. Foi a esta conclusão que o Governo anterior chegou na renegociação do contrato, tendo optado por não avançar com uma nacionalização ‘soft’. A informação é revelada esta terça-feira pelo Público, que assinala a ausência da palavra nacionalização. Apesar de usar palavras diferentes, esta alternativa era o trunfo do Executivo de Passos Coelho para as negociações com os privados. Essa era a vontade do ex-secretário de Estado adjunto da Administração Interna, Fernando Alexandre.

O jornal conta que o Governo PSD/CDS classificava esse eventual novo regime como um “cenário equivalente ao comummente designado resgate”, ou seja, um “resgate da concessão“. A acontecer, o Estado passaria a assumir o pacote de financiamento do Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança em Portugal (SIRESP) bem como a operação de concessão, mas teria de pagar uma indemnização ao consórcio no valor dos dividendos calculados no contrato inicial. O Executivo anterior terá ainda ponderado “executar, através da Parvalorem, parte da dívida da Galilei ao Estado através da tomada das ações do grupo (ex-SLN) no consórcio privado da PPP”, escreve o Público.

Contudo, as dificuldades negociais levaram o Governo a optar pela renegociação do contrato, que deu uma poupança de 25 milhões de euros. Caso tivesse de optar por uma nacionalização ‘soft’, o Estado teria outros encargos: 13,3 milhões de euros de dividendos, 6,4 milhões de euros de indemnização aos fornecedores e 32,6 milhões de euros de empréstimos em bancos. Feitas as contas, no final a poupança inicial estimada em 50 milhões passaria a ser de 7,6 milhões de euros.

“A resolução do contrato de concessão permitiria uma poupança de apenas 7,6 milhões de euros, um valor que, para além de reduzido, encerrava em si um risco de execução considerável”, lê-se nas conclusões do relatório do processo de renegociação do SIRESP em 2015.

Na semana passada, o PSD e o CDS abstiveram-se na votação que o Bloco de Esquerda levou à Assembleia da República para acabar com o contrato com os privados. O PS votou contra a recomendação ao Governo para que este denunciasse o contrato com a sociedade privada que gere o SIRESP. BE, PAN, PCP e Verdes votam a favor, mas o projeto acabou por ser chumbado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nacionalização soft do SIRESP pouparia 7,6 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião