SIRESP teve contratos informais durante oito anos

  • ECO
  • 9 Julho 2017

José Sócrates terá feito mudanças ao contrato inicial do SIRESP, mas de forma informal, sem que haja registos legais. A secretária de Estado que tutelou o SIRESP foi trabalhar para a PT.

Os negociadores do Estado, no princípio das reuniões de 2014 com os responsáveis do SIRESP, Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal, aperceberam-se de que o contrato em execução não coincidia com o contrato legal que tinha sido assinado. O Público escreve este domingo que as empresas do consórcio do SIRESP chegaram às negociações na expectativa de que fossem mantidas as alterações feitas em 2008 ao documento que oficializava a Parceria Público-Privada, embora não houvesse registo delas.

As empresas do consórcio, a Galilei, a PT, a Esegur, a Motorola e a Datacomp, esperavam “incluir no (…) processo negocial as alterações ao contrato SIRESP que, alegadamente, terão sido acordadas”, lê-se no relatório das negociações a que o Público teve acesso. A formalização dessas alterações “nunca terá sido concretizada”, entre 2008 e a altura em que estas negociações aconteceram, 2014.

Entre as alterações, estava um aumento do valor que o Estado deveria pagar, em efeito desde novembro de 2008: o Estado pagou mais 433 mil euros do que o que estava acordado inicialmente no contrato legal de 2006, devido a uma “modificação do plano de implementação”. Questionada pela comissão de negociação, a ministra Anabela Rodrigues acabou por conceder, em 2014, que a revisão do contrato era “globalmente aceitável”, e as alterações que tinham estado vigentes informalmente entre 2008 e 2015 foram assim formalizadas.

 

 

O Público destaca ainda que uma das responsáveis do SIRESP junto do Estado, a secretária de Estado Dalila Araújo (entre 2009 e o final da legislatura), partiu depois para a PT, uma das acionistas privadas do SIRESP. Questionada pelo Público, a antiga secretária de Estado disse não ter memória das alterações informais ao contrato do sistema de comunicações de emergência, e disse que a saída para a PT foi um “regresso” à sua atividade anterior à política. “Nunca mais tive nada a ver com o SIRESP. Trabalhava na área comercial”, afirmou Dalila Araújo, agora uma das nomeadas, sob polémica, para o regulador das telecomunicações, Anacom.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SIRESP teve contratos informais durante oito anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião