Poiares Maduro acusa Costa de não usar fundos contra fogos

  • ECO
  • 8 Julho 2017

O antigo ministro de Passos Coelho afirma que o Governo "optou por não fazer investimento" na prevenção de incêndios. O Ministério da Administração Interna rejeita a acusação.

Miguel Poiares Maduro acredita que o Governo de António Costa fez escolhas, ao travar no investimento público e não apostar na área do combate aos fogos, que prejudicaram a prevenção de incêndios este ano. O Ministério da Administração Interna já respondeu: o secretário de Estado Jorge Gomes afirma que já foram investidos cerca de 200 milhões de euros na Proteção Civil.

Em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo, o antigo ministro do Desenvolvimento Regional do Governo PSD/CDS de Pedro Passos Coelho afirmou que “já havia vários concursos que estavam disponíveis e foi opção do Governo não fazer investimento”.

Para Miguel Poiares Maduro, o Governo travou no investimento público e agora “estamos a ver consequência disso”, inclusive no caso dos incêndios. “Quando há um investimento com fundos europeus, há uma comparticipação do Estado. Essa comparticipação iria agravar a despesa em termos de défice. O que houve foi um corte, em termos relativos: se olharmos de 2015 para 2016 a evolução do Portugal 2020, comparando com os anos equivalentes de 2008 para 2009 do QREN, o que vemos é uma desaceleração, sobretudo nos fundos associados a investimento público”, afirma o ex-ministro.

O caso verifica-se também na área dos incêndios. “O que sabemos é que havia fundos europeus que já estavam disponíveis, havia concursos abertos para investimento público nessa matéria e havia no caso dos meios aéreos, e o Governo optou por não fazer esse investimento. Isso é conhecido, é claro e é objetivo”, disse Miguel Poiares Maduro à TSF.

Sobre a gestão de fundos comunitários por parte do Governo de António Costa numa perspetiva mais geral, Poiares Maduro disse que “é cedo para avaliar”. No entanto, considerou que “há um regresso a uma lógica de dar o dinheiro”. O Governo “está a preparar-se para regressar aos financiamentos a fundo perdido, o que do meu ponto de vista não é positivo”.

Ministério da Administração Interna nega acusação

O secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, garantiu à TSF que foram aplicados cerca de 200 milhões de euros na área da Proteção Civil através do QREN. Jorge Gomes diz que o Governo anterior deixara apenas 57 milhões de euros para a Proteção Civil, mas que através da negociação foi possível aumentar esse financiamento.

Não é a primeira vez que se gera discórdia acerca dos fundos comunitários. Recentemente, Poiares Maduro deu uma entrevista ao ECO na qual criticou a atuação do Governo de António Costa em relação aos fundos comunitários, e obteve resposta do atual ministro da tutela, Pedro Marques, entrevistado na conferência ECO Talks. Os dois ministros discordavam em três níveis principais: a execução dos fundos, a formação profissional e a relevância da contrapartida nacional no cumprimento do défice, como o ECO contou aqui.

Notícia atualizada às 16:40 com a resposta do Ministério da Administração Interna.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Poiares Maduro acusa Costa de não usar fundos contra fogos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião