Incêndios: Fundo criado com donativos tem como prioridade a reconstrução habitacional

Para os autarcas, o encontro com o ministro vai permitir que "na próxima semana sejam dados passos largos" para que os trabalhos de reconstrução cheguem efetivamente ao terreno.

No imediato, a prioridade vai ser recuperar as habitações que foram destruídas pelos fogos que devastaram a região centro do país, com especial incidência em Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, reiterou o ministro da Segurança Social, depois de um encontro com os respetivos autarcas. E para isso existe um fundo alimentado pela solidariedade nacional e internacional.

“Teremos uma função de coordenação do fundo que está a ser criado para uma intervenção imediata e de curto prazo na região, nos três concelhos, muito orientado, não exclusivamente, para a reconstrução das habitações que foram afetadas em diferentes graus”, disse Vieira da Silva, no final do encontro, em declarações transmitidas pela RTP3.

"Teremos uma função de coordenação do fundo que está a ser criado para uma intervenção imediata e de curto prazo na região, nos três concelhos, muito orientado, não exclusivamente, para a reconstrução das habitações que foram afetadas em diferentes graus.”

Vieira da Silva

Ministro do Trabalho e da Segurança Social

Vieira da Silva explicou que o ministério está a trabalhar em “duas dimensões”, uma primeira ao nível da coordenação para as intervenções de curto prazo e uma segunda na identificação das futuras necessidades.

Para os autarcas este encontro foi muito importante do ponto de vista da coordenação, “dando uma perspetiva de trabalho”, diz o presidente de Figueiró dos Vinhos, Manuel Abreu, mas também porque vai permitir que “na próxima semana sejam dados passos largos” para que os trabalhos de reconstrução cheguem efetivamente ao terreno, explicou Fernando Lopes, o presidente da Câmara de Castanheira de Pera.

Vieira da Silva garantiu que “o primeiro apoio e mais relevante foi levado a cabo pelas autarquias, que têm um conhecimento da matérias que mais ninguém tem” e avançou que já houve um reforço dos técnicos de Segurança Social no terreno. São estes técnicos que, em conjunto com as autarquias ajudam a identificar as prioridades no socorro às famílias.

O fundo que vai ser criado tem como objetivo principal e imediato responder à reconstrução das habitações totalmente ou parcialmente destruídas pelos incêndios que terão afetado aproximadamente 500 habitações, 169 de primeira habitação, 205 de segunda e 117 já devolutas. O ministro da Segurança Social garantiu que o Executivo está “em condições de dar resposta a todas as situações que foram identificadas”, embora ainda tenha uma estimativa de quanto vai custar a recuperação de todas as habitações.

Vieira da Silva frisou que os donativos que integram o fundo vão ser geridos por uma comissão, constituída pelas autarquias, um representante do Governo e um representante da sociedade civil. E que “o objetivo é responder a todas as situações identificadas”.

Quanto às empresas, Vieira da Silva prometeu para “os próximos dias” as medidas de apoio às empresas e aos trabalhadores afetados pelos fogos. “A nossa preocupação são as empresas e os trabalhadores. Vamos dar apoios às empresas e garantir algum rendimento aos trabalhadores”, disse o ministro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incêndios: Fundo criado com donativos tem como prioridade a reconstrução habitacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião