Incêndios: Infraestruturas de Portugal diz que estrada 236-1 e o IC8 estavam limpas

  • Lusa
  • 4 Julho 2017

O presidente da Infraestruturas de Portugal salientou que pode haver árvores a 50 centímetros das bermas das estradas, desde que atrás dos separadores e sem pôr em causa a segurança.

A estrada 236-1 e o IC8, localizados nas zonas dos recentes grandes incêndios, tinham sido limpas no início de junho, conforme registos vídeo, informou hoje o presidente da Infraestruturas de Portugal (IP).

Em comissão parlamentar, António Laranjo explicou que as duas vias rodoviárias estão concessionadas à empresa Ascendi e “há evidências, quer de vídeo da própria Ascendi, quer naquilo que é a própria vistoria da IP, para verificação das condições contratuais”.

“Há evidências que elas estavam limpas. E tinham sido limpas no início de junho, mês efetivamente fatídico para aquela zona”, referiu o responsável da empresa pública, que resultou da fusão da REFER-Rede Ferroviária Nacional e a EP-Estradas de Portugal.

A várias observações críticas do deputado do Bloco de Esquerda Heitor de Sousa, Laranjo precisou que pode haver árvores a 50 centímetros das bermas das estradas, desde que atrás dos separadores e sem pôr em causa a segurança.

“Se não estiverem a pôr em causa a segurança, não há nenhum plano municipal de defesa da floresta contra incêndios que determine o seu corte”, sublinhou o responsável da IP, acrescentando que, nos 10 metros de faixas de gestão de combustível, são feitas desmatações ou desramações sob determinados critérios previstos na lei.

António Laranjo sublinhou ainda que nas competências da IP está apenas o cumprimento dos contratos, pertencendo à empresa concessionária as restantes matérias.

Dois grandes incêndios começaram no dia 17 de junho em Pedrógão Grande e Góis, tendo o primeiro provocado 64 mortos e mais de 200 feridos. Foram extintos apenas uma semana depois.

Estes fogos terão afetado aproximadamente 500 habitações, 169 de primeira habitação, 205 de segunda e 117 já devolutas.

Quase 50 empresas foram também afetadas, assim como os empregos de 372 pessoas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incêndios: Infraestruturas de Portugal diz que estrada 236-1 e o IC8 estavam limpas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião