Pedrógão: Governo aponta para 497 milhões de euros de prejuízo

  • ECO e Lusa
  • 3 Julho 2017

Foram atingidas cerca de 170 casas de primeira habitação. Governo garante que a reconstrução será apoiada a 100%. Pedro Marques avança com medidas excecionais.

Os danos causados pelo incêndio de Pedrógão Grande ascendem a 497 milhões de euros, avança o relatório final do Governo, citado pela RTP.

Foram atingidas 481 casas, das quais 169 correspondiam a primeira habitação e 205 a segunda. Acrescem ainda 117 habitações devolutas. De acordo com o ministro Pedro Marques, a reconstrução das cerca de 170 casas de primeira habitação será apoiada a 100%.

Os danos que exigem uma atuação imediata ascendem a 193 milhões de euros, correspondendo a 38% do custo total apurado, indica ainda a RTP. Em causa estão situações relacionadas com habitação, floresta, atividades económicas, agricultura, infraestruturas e equipamentos municipais, rede viária e proteção civil.

Além das casas afetadas — com prejuízos de 27 milhões de euros — as consequências também se fizeram sentir em 49 empresas, com implicações diretas em 374 postos de trabalho. Na atividade económica, o custo contabilizado atinge 31 milhões de euros.

Os incêndios retiraram a vida a 64 pessoas e consumiram 45.979 hectares em Sertã, Góis, Pampilhosa da Serra, Penela, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande.

Que medidas?

Em conferência de imprensa, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas indicou que medidas chegarão ao terreno, precisando que uma situação excecional determina “respostas excecionais do lado do Estado”. Apontando para os 200 milhões de euros de prejuízos imediatos, Pedro Marques indicou que existirá resposta da política pública “sempre que os seguros não possam ser acionados”.

O ministro apontou as seguintes medidas:

  • A reconstrução de cerca de 170 casas de primeira habitação será apoiada a 100%, também no âmbito da “solidariedade nacional”;
  • Para as restantes habitações, será criada uma linha de crédito com condições especiais;
  • No que toca à floresta, “para além da questão dos seguros serem acionados para a parte do valor económico da matéria ardida”, há medidas de estabilização nomeadamente a nível da compra de maquinaria e equipamento ardido, que serão apoiadas por parte do PDR, com avisos de candidatura específicos. Algumas infraestruturas municipais, como pontos de água, poderão ter apoios “muito significativos também”;
  • Limpeza de linhas de água avança já com apoio do fundo ambiental;
  • Recuperação de atividades económicas exigirá reprogramação do Programa Operacional do Centro, que já está a ser feita;
  • Há cerca de 50 empregos que estariam em risco sem apoios. Segurança Social e Instituto do Emprego e Formação Profissional estão a acompanhar a situação;
  • Na agricultura, há uma reposição do potencial de cerca de 2.000 agricultores, afirmou Pedro Marques, apontando para apoios de proximidade ligados aos animais, a arrumos agrícolas, plantios, etc;
  • No que toca a infraestruturas municipais, está a ser feito um trabalho de reprogramação com Bruxelas, para maximizar as taxas de comparticipação. Poderão ir a 85% ou 95% do valor das infraestruturas afetadas. E o que não puder ser apoiado aqui, será apoiado no Fundo de Emergência Municipal.

Para a prevenção futura estão destinados cerca de 300 milhões de euros adicionais, adiantou Pedro Marques. O valor está destinado à “rearborização”, mas no “contexto de um ordenamento florestal maior”. O objetivo é que aconteça já no âmbito do projeto-piloto anunciado pelo Governo, “que inclui a questão do cadastro, da gestão florestal e do ordenamento florestal global” e que vá “para lá das áreas ardidas”, adiantou o ministro.

Governo apresenta candidatura ao fundo de solidariedade da União Europeia

O Governo vai apresentar uma candidatura ao fundo de solidariedade da União Europeia, que pode representar uma ajuda adicional de cerca de 11 milhões de euros. “Provavelmente, em duas ou três semanas, vamos apresentar a candidatura” ao fundo de solidariedade, disse Pedro Marques. Segundo o ministro do Planeamento, se o fundo for acionado, serão “um pouco mais de 11 milhões de euros” de ajuda que poderão chegar ao território – a ajuda é contabilizada mediante o Produto Interno Bruto (PIB) da região Centro.

No caso de catástrofes naturais regionais, o fundo só pode ser acionado se os prejuízos diretos atingirem o valor de 1,5% do PIB da Região Centro (cerca de 480 milhões de euros). No relatório, são contabilizados 193,3 milhões de euros de danos imediatos e respostas de emergência, e 303,5 milhões em medidas de prevenção, registando-se um total de 497 milhões de euros.

Questionado pela Lusa sobre a elegibilidade de candidatura a um fundo que apenas fala em “prejuízos diretos”, Pedro Marques frisou que “o fundo também pode cobrir aquilo que são medidas preventivas de reparação e reposição da situação anterior”. “Nesse sentido, é do nosso entendimento que todas as medidas aqui apresentadas têm cabimento naquilo que são as regras do fundo de solidariedade europeia e é nesse sentido que defenderemos a nossa candidatura junto de Bruxelas”, esclareceu.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Pedrógão: Governo aponta para 497 milhões de euros de prejuízo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião