IPMA: Não terá sido raio a causar incêndio de Pedrógão Grande

  • ECO
  • 2 Julho 2017

O IPMA diz que não há provas de que tenha sido uma descarga elétrica a causar o incêndio de Pedrógão Grande. Esta é uma das conclusões do relatório do IPMA requerido por Costa.

Não há provas de que tenha sido uma descarga elétrica a causar o incêndio de Pedrógão Grande. Esta é uma das conclusões a retirar do novo relatório do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) sobre o incêndio de Pedrógão Grande, que deflagrou no passado dia 17 de junho, e que já está nas mãos de António Costa.

Uma vez que a eficiência da rede é de cerca de 95% para as descargas nuvem-solo, podemos concluir que existe uma probabilidade baixa (mas não nula) da ocorrência de uma descarga nuvem-solo na proximidade do local de deflagração do incêndio”, refere o presidente do IPMA numa carta que acompanha o relatório sobre as condições metereológicas associadas ao incêndio de Pedrógão Grande, no qual morreram 64 pessoas.

 

No relatório, com 120 páginas, o presidente do IPMA, Jorge Miguel Miranda diz ter procurado “ser tão completo quanto possível”.

Em declarações à TSF, Jorge Miguel Miranda adianta que: “o que mostramos agora de uma forma, que julgo exaustiva, é que do ponto de vista da nossa rede, mesmo depois de termos pedido até apoio a colegas de redes internacionais, não existe evidência meteorológica dessa deflagração por descarga elétrica”.

"o que mostramos agora de uma forma, que julgo exaustiva, é que do ponto de vista da nossa rede, mesmo depois de termos pedido até apoio a colegas de redes internacionais, não existe evidência meteorológica dessa deflagração por descarga elétrica””

Jorge Miguel Miranda

Presidente do IPMA

Ainda assim, Jorge Miguel Miranda faz a ressalva: “não quer dizer que não tenha existido, porque existem fenómenos menos vulgares que podem dar origem a situações de descargas elétricas atmosféricas que não são apanhadas pela rede”.

Nas declarações que prestou à TSF, o presidente do IPMA admite que o documento “pode conter pequenas incorreções. Foi tudo feito com muita pressão“. Até porque acrescenta: “era nosso dever apresentar os dados o mais rapidamente possível. Até porque há outros peritos que precisam deles para trabalhar”.

"pode conter pequenas incorreções. Foi tudo feito com muita pressão”

Jorge Miguel Miranda

Presidente do IPMA

O IPMA tem agendada uma conferência de imprensa para a próxima quarta-feira para esclarecer dúvidas sobre este relatório.

Já o Expresso avança este domingo que o raio causador do incêndio não terá caído numa árvore, mas sim num posto de transformação das linhas de média tensão, sendo depois conduzido pelos cabos até onde o fogo começou, na zona de Escalos Fundeiros.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

IPMA: Não terá sido raio a causar incêndio de Pedrógão Grande

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião