Governo tenta responsabilizar SIRESP por falhas em Pedrógão

  • ECO
  • 10 Julho 2017

O Ministério da Administração Interna (MAI) contratou advogados que vão estudar o contrato com o SIRESP de forma a saber se é possível responsabilizar os privados e pedir uma indemnização.

O Ministério liderado por Constança Urbano de Sousa pediu ao escritório de advogados Linklaters para avaliar o contrato do SIRESP. O objetivo é saber se os privados podem ser responsabilizados pelas eventuais falhas da rede de comunicações de emergência nos incêndios em Pedrógão Grande. Em causa está o artigo 17º desse contrato, adiantou fonte oficial do MAI ao Público esta segunda-feira.

O que diz o artigo 17º? São dois pontos que ilibam o Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança em Portugal (SIRESP) de responsabilidade em caso de falhas em catástrofes. “Para os efeitos do contrato, considerar-se-ão casos de força maior imprevisíveis e irresistíveis, cujos efeitos se produzem independentemente da vontade da operadora ou da sua atuação, ainda que indiretos, que comprovadamente impeçam ou tornem mais oneroso o cumprimento das suas obrigações contratuais”, lê-se no contrato.

A esta cláusula seguem-se os exemplos de casos de ‘força maior’ onde se inclui cataclismos naturais: “Atos de guerra ou subversão, hostilidades ou invasão, rebelião, terrorismo ou epidemias, raios, explosões, graves inundações, ciclones, tremores de terra e outros cataclismos naturais que diretamente afetem as atividades objeto do contrato“.

A dúvida do Governo passa pelas interpretações diferentes que podem ser atribuídas à expressão ‘força maior‘ e ao enquadramento de um incêndio nestes dois pontos do contrato. O resultado da Linklaters não bastará para o Estado pedir uma indemnização ao SIRESP. Simultaneamente decorre uma auditoria do Instituto de Telecomunicações e existe também o relatório da própria empresa que diz não ter existido falhas em Pedrógão Grande.

Não houve interrupção no funcionamento da rede SIRESP, nem houve nenhuma Estação Base que tenha ficado fora de serviço em sequência do incêndio“, lê-se no relatório entregue no final de junho e que foi publicado no portal do Governo. “Verificou-se que a Rede SIRESP funcionou de acordo com a arquitetura que foi desenhada para esta Rede”, escreveu o SIRESP em sua defesa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo tenta responsabilizar SIRESP por falhas em Pedrógão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião