Alteração contratual no SIRESP foi “legal”, diz responsável

  • Lusa
  • 9 Julho 2017

Rui Pereira, que foi ministro da Administração Interna entre maio de 2007 e junho de 2011, diz que o contrato "informal" foi legal e ainda poupou dinheiro ao Estado.

Rui Pereira, ministro da Administração Interna entre maio de 2007 e junho de 2011, afirmou hoje que a alteração contratual introduzida ao SIRESP, enquanto exerceu funções, foi “legal” e permitiu poupar “mais de 13,5 milhões de euros”. O Público refere na edição de hoje que o SIRESP [Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança em Portugal] “funcionou oito anos com contratos informais”.

Segundo o jornal, “entre 2008, data em que foram introduzidas alterações ao documento legal que oficializa a PPP [Parceria Público Privada], e 2015, quando a renegociação terminou, o SIRESP funcionou com regras que não estavam escritas, e consequentemente não se podiam encontrar nos arquivos dos serviços do Estado”.

Dessas alterações consta “um aumento do valor a pagar pelo Estado ao consórcio. A partir de 4 de novembro de 2008, o Estado pagou 433 mil euros do que estava acordado (no contrato de 2006). Isto deveu-se a ‘uma modificação do plano de implementação’, a que o documento chama ‘novo rollout’, à ‘substituição da infraestrutura radio Dimetra’ e à expansão do SIRESP para a Região da Madeira. O responsável político nessa altura era Rui Pereira”, escreve o Público.

Em nota enviada à agência Lusa, o antigo ministro explica que a alteração contratual foi formalizada pelo despacho de 31 de dezembro de 2008 dos ministros de Estado e das Finanças e da Administração Interna, do Governo liderado por José Sócrates.

“A alteração contratual – pelo seu impacto financeiro muito reduzido no âmbito do projeto (encargos globais e totais de 433 mil euros, distribuídos entre 2008 e 2021) – dispensou a criação da comissão de negociação, nos termos do regime jurídico das PPP”, sustenta Rui Pereira, sublinhando que “essa matéria estava delegada no então secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna José Magalhães”.

Esta alteração contratual, de acordo com o antigo governante, foi “sustentada em pareceres favoráveis da Inspeção-Geral de Finanças, entidade com competências de fiscalização da execução do contrato SIRESP, apontando várias “vantagens” para o país.

“Redução de encargos do Orçamento do Estado em 14,1 milhões de euros, atendendo à aplicação de igual montante de fundos comunitários nas componentes de investimento da rede SIRESP, pelo que o saldo global de poupança para o Estado se cifrou em mais de 13,5 milhões de euros”, refere a nota.

“A instalação da rede SIRESP em Portugal com a versão mais atualizada da Tecnologia TETRA existente à data (versão 6)”, e a “antecipação da entrada em funcionamento de algumas estações base, permitindo o acesso mais rápido à rede por parte dos utilizadores dessas regiões”, são os outros benefícios apontados pelo antigo governante.

“Em suma, o procedimento referido foi legal e proveitoso para o Estado, que poupou, por força dele, mais de 13,5 milhões de euros”, defende Rui Pereira.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alteração contratual no SIRESP foi “legal”, diz responsável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião