Trump deixa cair promessa eleitoral e assume que défice orçamental é para manter

  • Lusa
  • 13 Fevereiro 2018

O presidente dos EUA assumiu que o seu governo vai manter o défice público na próxima década, ao apresentar a proposta de orçamento para 2019. E explicou como quer financiar o muro com o México.

Donald Trump apresentou na segunda-feira uma proposta orçamental para financiar o governo federal com 4,4 biliões de dólares (3,6 biliões de euros) para o ano orçamental 2019, que começa em 01 de outubro, se bem que esteja por esclarecer se será aprovado no Congresso, uma vez que na semana passada os congressistas já aprovaram um ambicioso plano de gastos.

Não podemos equilibrar o orçamento. Espero que haja algum valor em ser honesto sobre a situação orçamental”, afirmou o diretor do Gabinete de Gestão e Orçamento da Casa Branca, Mick Mulvaney, durante uma conferência de imprensa.

O que ficou claro da proposta orçamental da Casa Branca é que Trump, que defendeu durante a campanha eleitoral uma maior disciplina orçamental e a eliminação do défice orçamental nas contas públicas, confessou que não poderia cumprir este objetivo tradicional dos republicanos, apontou a jornalista Lucía Leal, em artigo publicado na agência Efe.

A proposta orçamental de Trump aumenta o défice público para 984 mil milhões de dólares no ano orçamental 2019, o que equivale a 4,7% do produto interno bruto (PIB) e é quase o dobro do que o plano de gastos apresentado há um ano previa para o mesmo período.

O governo de Trump assegura que pretende reduzir gradualmente o défice a partir de 2020, com o objetivo de o situar em 363 mil milhões de dólares em 2028, o que representaria então, pelos cálculos agora feitos, o equivalente a 1,1% do PIB.

“O que queremos fazer é mudar a trajetória das contas públicas” e para isso há que “cortar de forma extraordinária os gastos”, disse Mulvaney.

Não é certo, porém, que a proposta orçamental de Trump para 2018 venha a ser realidade, uma vez que o Congresso já aprovou na semana passada um plano que estabeleceu os níveis de financiamento do governo para os próximos dois anos e aumentou em 300 mil milhões de dólares os gastos em defesa e programas nacionais.

Mas este objetivo geral tem de se traduzir em propostas concretas de despesa, com a Casa Branca confiada em que vai convencer os congressistas a investirem nas suas prioridades e cortar em programas como os das ajudas sociais.

A proposta orçamental inclui uma verba de 1,6 mil milhões de dólares para construir um muro com 104 quilómetros na fronteira com o México, que se estende por 3.180 quilómetros. O muro seria edificado na zona do vale do Rio Bravo, no Estado do Texas.

O plano de Trump prevê ainda aumentar o gasto com a Defesa, cortar em 32% o orçamento do Departamento de Estado, em 34% as verbas da Agência de Proteção Ambiental, que eliminaria a maioria dos programas relacionados com as alterações climáticas, e o dinheiro destinado a programas sociais, como os seguros médicos para idoso e pobres, os designados Medicare e Medicaid.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Trump deixa cair promessa eleitoral e assume que défice orçamental é para manter

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião