Governo avança 20 milhões de euros para investigação clínica

  • ECO e Lusa
  • 14 Fevereiro 2018

“A ideia é fazer-se uma agência de financiamento, como têm surgido noutros pontos da Europa, reunindo o esforço público e privado, partilhados igualmente”, afirmou o ministro da Ciência.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, anunciou esta quarta-feira, no Porto, um investimento em Portugal de “cerca de 20 milhões de euros em investigação clínica, num prazo até 2023”.

“A ideia é fazer-se uma agência de financiamento, como têm surgido noutros pontos da Europa, reunindo o esforço público e privado, partilhados igualmente”, afirmou Manuel Heitor, que falava aos jornalistas na primeira edição da Gago Conference, evento que reúne, no Porto, investigadores e decisores para debater políticas de saúde na área do cancro.

"Estamos hoje aqui a antecipar, com um conjunto de cientistas, com o comissário europeu e líderes europeus, como é que Portugal pode acompanhar o grande desafio de até 2030”

Manuel Heitor

Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

A criação de uma agência de financiamento para a investigação clínica será debatida no Conselho de Ministros na próxima quinta-feira, que será dedicado à Ciência. “Estamos hoje aqui a antecipar, com um conjunto de cientistas, com o comissário europeu e líderes europeus, como é que Portugal pode acompanhar o grande desafio de até 2030 três em cada quatro doentes de cancro tenham perspetivas de vida longa”, sublinhou. Este vai ser apenas um dos pontos do Conselho de Ministros que, extraordinariamente se vai realizar em Matosinhos. No encontro o Governo vai lançar um Roteiro Conhecimento e Inovação.

Este roteiro levará o primeiro-ministro, António Costa, num périplo pelo país entre este mês e abril, com uma periodicidade semanal, avança o Público (acesso condicionado), esta quarta-feira. Cada iniciativa incidirá sobre um setor e será dedicada a uma região, para destacar o que existe de positivo, como por exemplo, os têxteis técnicos, mas também para lançar iniciativas novas, acrescenta o diário. Na quinta-feira à tarde, o primeiro-ministro presidirá à assinatura dos protocolos “GoPortugal – Global Science and Technology Partnerships Portugal”, avança o mesmo jornal, um protocolo que visa ajudar à internacionalização das universidades portuguesas. Em causa está um conjunto de universidades e entidades portuguesas e estrangeiras, nomeadamente o MIT, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, sabe o ECO.

Segundo Manuel Heitor, “é preciso investir, reunir um esforço público e privado e é isso que tem sido debatido nos últimos seis meses para se criar um mecanismo novo em Portugal de financiar e de avaliar os chamados centros académicos clínicos”.

“Há um ano criámos com o Ministério da Saúde, com as escolas médicas, com os centros de investigação biomédica e com unidades de cuidados de saúde o chamado Conselho Nacional dos Centros Académicos Clínicos e, agora, vamos dar mais um passo na formalização desses centros académicos e na orientação para a criação de uma agência que possa avaliar e financiar e, assim, podermos aproximar-nos da Europa”, referiu o ministro.

Justificando a criação de uma nova agência quando já existe a Fundação para a Ciência e Tecnologia, Manuel Heitor disse que “esta área clínica tem mecanismos próprios de avaliação e de financiamento, é uma especificidade tão característica da própria atividade de investigação que muitos países, nomeadamente do centro e norte da Europa, já especializaram os mecanismos de financiamento e avaliação na área, criando agências especializadas”.

É esse o passo que estamos a dar, de especializar o nosso sistema de financiamento e avaliação na área clínica”, disse o ministro da Ciência, acrescentando que se pretende uma aproximação da Europa, seguindo as melhores práticas, e este “é um passo decisivo” para melhorar a relação entre o sistema científico e o Serviço Nacional de Saúde.

O ministro disse ainda que Portugal vai integrar, através do Porto.Comprehensive Cancer Center – consórcio entre o I3S e o IPO-Porto que agrega 24 grupos de investigação – a mais importante rede europeia de investigação em cancro, o Cancer Core Europe.

(Notícia atualizada com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo avança 20 milhões de euros para investigação clínica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião