Incêndios: Bruxelas propõe ajuda de 50,6 milhões de euros a Portugal

A Comissão Europeia propôs atribuir 104 milhões de euros a Portugal, Espanha, França e Grécia, depois das catástrofes naturais do ano passado. Portugal receberá 50,6 milhões de euros.

Esta quinta-feira, a Comissão Europeia propôs a atribuição de 104 milhões de euros a Portugal, Espanha, França e Grécia, ao abrigo do Fundo de Solidariedade da União Europeia, na sequência das catástrofes naturais que devastaram os quatro Estados-membros no ano passado. Para Portugal estão planeados 50,6 milhões de euros.

“Esta é uma entrega concreta na promessa da Comissão de Juncker de oferecer mais do que condolências quando um país da União Europeia é afetado por um desastre”, lê-se no comunicado de imprensa da Comissão Europeia (conteúdo em inglês). Corina Creţu, comissária responsável pela política regional, disse que “em Portugal, em Espanha, na ilha grega de Lesbos ou nas regiões periféricas de França nas Caraíbas, a UE não deixa ninguém desprotegido perante a tragédia. Mais uma vez, o Fundo de Solidariedade Europeu demonstra o nosso apoio incessante para os trabalhos de reconstrução após os desastres naturais. Queremos ajudar as pessoas a reconstituir as suas vidas”.

Os 104 milhões de euros serão, de acordo com o comunicado, divididos da seguinte forma: 50,6 milhões de euros para Portugal e 3,2 milhões para Espanha, com a justificação de: “Os incêndios florestais violentos derrubaram as regiões central e norte de Portugal, reivindicando muitas vidas humanas e serviços de combate aos incêndios e resgate. A região vizinha espanhola da Galiza também foi afetada”. Recorde-se que, em novembro do ano passado, a Comissão Europeia já tinha disponibilizado 1,5 milhões de euros aos portugueses.

As regiões francesas de Saint-Martin e Guadalupe receberão 49 milhões de euros, após os furacões Irma e Maria, e 1,3 milhões serão destinados à ilha grega de Lesbos, após o terramoto do verão do ano passado.

(Notícia atualizada às 11h56 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incêndios: Bruxelas propõe ajuda de 50,6 milhões de euros a Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião