Governo só tem dez de 50 aeronaves para combater incêndios

  • ECO
  • 17 Fevereiro 2018

A menos de três meses do início da fase crítica dos incêndios, o Executivo está com dificuldades em fechar o concurso nacional para o aluguer de 50 aeronaves para combater os fogos. Apenas tem dez.

A menos de três meses do início da fase crítica dos incêndios, o Executivo está com dificuldades em fechar o concurso nacional para o aluguer de 50 aeronaves para combater os fogos. O júri já excluiu quase todas as propostas apresentadas, aceitando apenas a que foi apresentada pela Helibravo para o aluguer de dez helicópteros ligeiros.

De acordo com o relatório preliminar a que o Público teve acesso, dos 50 meios que queria alugar para os próximo três anos por um total de 60 milhões de euros, o Governo apenas poderá avançar para a dez helicópteros ligeiros à Helibravo pelo valor de 10,715 milhões de euros. Mesmo no aluguer destas aeronaves poderão surgir obstáculos à sua contratação em tempo útil.

É que a Heliportugal, uma das empresas que concorreu a este lote, não aceita a decisão de ter sido excluída do concurso. O presidente da empresa, Pedro Silveira, já garantiu: “Vou protestar”. Segundo o jornal, o preço da Heliportugal, de 10,393 milhões de euros, era 321 mil euros mais baixo do que o da empresa cuja proposta acabou por ser aceite. A exclusão deveu-se ao facto de a empresa “não ter apresentado/comprovado” que as suas aeronaves cumpriam um requisito técnico previsto no caderno de encargos, de acordo com o relatório.

Esta decisão obriga o Governo a fazer ajustes diretos para ter aeronaves prontas a combater os incêndios no verão e a reformular o concurso internacional, como aconteceu no concurso de aluguer de helicópteros para o Instituto Nacional de Emergência Médica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo só tem dez de 50 aeronaves para combater incêndios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião