Num ano, há menos 79 mil desempregados inscritos no IEFP

  • ECO e Lusa
  • 21 Fevereiro 2018

No final do mês de janeiro, havia uma pequena subida no desemprego registado relativamente a dezembro, mas em comparação com os números de um ano antes houve uma queda de 16%.

O desemprego registado no Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP) caiu 16% num ano, de acordo com um comunicado enviado esta quarta-feira pela instituição. Relativamente a janeiro de 2017, o princípio de 2018 viu menos 79 mil desempregados inscritos. No total, havia 415,5 mil pessoas inscritas nos centros de emprego no final do mês passado.

Em janeiro, o desemprego registado habitualmente aumenta um pouco, e este ano não foi exceção, com uma subida ligeira de 2,9% no número de pessoas inscritas sem emprego. No entanto, os números homólogos mostram uma continuação da tendência decrescente geral, com menos 11,5 mil jovens desempregados, uma queda de 19,7% no desemprego jovem, e menos 39,8 mil desempregados de longa duração — uma queda de 17%.

A nível regional, comparando com o mês de janeiro de 2017, o desemprego registado diminuiu em todas as regiões do país, destacando-se o Alentejo com a descida percentual mais acentuada (-18,6%), seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo (-17,3%).

Evolução do desemprego registado desde janeiro de 2016

Dados: IEFP

No que respeita à atividade económica de origem do desemprego, dos 348.147 desempregados que, no final do mês em análise, estavam inscritos como candidatos a novo emprego, 70,2% tinham trabalhado em atividades do setor dos serviços.

O desemprego diminuiu em todos os setores de atividade, com a maior redução homóloga a registar-se novamente no setor da construção, onde o desemprego recuou 27,4% no correspondente a menos 12,2 mil desempregados (um contributo de 18% para a redução global do número de desempregados à procura de novo emprego).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Num ano, há menos 79 mil desempregados inscritos no IEFP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião