Criptomoedas? Primeiro compreender, depois regular, diz CMVM

  • Ana Batalha Oliveira
  • 22 Fevereiro 2018

Para a presidente da CMVM, é necessária a "classificação dos investimentos" em criptomoedas e só depois "avançar para regulação neutra", que trate as criptomoedas como qualquer outro ativo.

Regulação para criptomoedas? “Eu diria que um dia irá haver, mas é desejável que não exista enquanto não compreendermos esta realidade”, defende Gabriela Figueiredo Dias, na conferência “O Futuro dos Mercados Financeiros”, no ISCTE.

A presidente da CMVM, diz que os alertas acerca das criptomoedas que têm surgido das várias entidades europeias — da ESMA ao BCE — “é a ponta do iceberg”. “Há um trabalho de grande complexidade e seriedade que esta a ser feito a nível europeu“, garante. Mas a legislação ainda não estará pronta: “eu diria que um dia irá haver, mas é desejável que não exista enquanto não compreendermos esta realidade”.

Para Gabriela Figueiredo Dias, é necessária a “classificação dos investimentos” e só depois “avançar para regulação neutra”. A neutralidade passa por legislar de forma semelhante a outros investimentos financeiros que apresentem “riscos equivalentes”. Espera que os organismos regulatórios não sejam “nem excessivamente ligeiros nem pesados” pelo simples facto de estarmos perante um ativo inovador. Essencial será assegurar “níveis mínimos de proteção”.

A presidente da CMVM salienta o desafio de regular tendo em conta “as próprias bases jurídicas com as quais estamos habituados a trabalhar”. “A base normativa tem de ser repensada para adaptar a realidades completamente novas“, afirma.

Gabriela Figueiredo dias já veio afirmar, num artigo de opinião publicado na revista Exame, que estes novos conceitos pouco mais vão ser do que “formas banais do investimento” no futuro, integrando já hoje uma transformação tecnológica no setor financeiro que as autoridades não se podem alhear.

Recentemente, o Banco Central Europeu (BCE) veio recomendar “prudência relativamente às criptomoedas, “porque não são apoiadas por nenhum banco central ou Governo”, justificou. Também a Autoridade Bancária Europeia (EBA), a Autoridade dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA) e a Autoridade Europeia dos Seguros e das Pensões Complementares de Reforma (EIOPA) alertaram os consumidores para uma possível bolha e falta de proteção.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Criptomoedas? Primeiro compreender, depois regular, diz CMVM

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião