Bagão Félix considera aumento da TSU “ingénuo e desconhecedor do mercado”

  • Lusa
  • 23 Fevereiro 2018

O antigo ministro afirma que o aumento da TSU “é economicamente ingénuo e desconhecedor do mercado", ao mesmo tempo que defende que o combate à precariedade “é uma prioridade social indiscutível”.

O antigo ministro António Bagão Félix afirma que o combate à precariedade “é uma prioridade social indiscutível”, mas considera o agravamento da TSU para as empresas com excesso de rotatividade “economicamente ingénuo e desconhecedor do mercado”.

A diferenciação da Taxa Social Única (TSU) por tipo de contrato é uma das medidas em discussão na Concertação Social no âmbito do combate à segmentação do mercado de trabalho, mas, em entrevista por escrito à Lusa, Bagão Félix defende que esse combate deve ser feito através de uma “flexibilidade diferenciada”. Não se pode tratar da mesma maneira o que é diferente, ou seja, empresas de grande dimensão e micro e pequenas empresas”, sublinha o ex-ministro do Trabalho e da Segurança Social do governo de Durão Barroso.

“Em vez de penalizar os contratos a termo legais, repito legais, com o agravamento da TSU, parece-me preferível que haja uma percentagem máxima de uso deste instrumento de flexibilidade contratual dentro de cada empresa e pelo número de renovações sucessivas”, propõe ainda o ex-ministro das Finanças do governo de Santana Lopes. Para o antigo governante, o aumento da TSU para os empregadores “é economicamente ingénuo e desconhecedor do mercado”, pois “seria repercutido para trás, ou seja, na diminuição do salário da pessoa contratada a prazo”.

Bagão Félix é conhecido como o “pai” do Código do Trabalho de 2003, lei onde constavam mexidas da TSU. A norma, que nunca chegou a ser aplicadas por falta de regulamentação, estabelecia que a taxa contributiva a cargo do empregador poderia ser aumentada “em função do número de trabalhadores contratados a termo na empresa e da respetiva duração dos seus contratos de trabalho”.

O economista considera que o combate à precariedade “é uma prioridade social indiscutível”, em linha com o que defende também o atual ministro do Trabalho. Contudo, defende que, antes de se mexer na lei, deve primeiro acabar-se com “o sentimento de impunidade resultante do acentuado grau de incumprimento das normas laborais.” Ou seja, diz, são necessárias “leis que reforcem o Estado fiscalizador em detrimento do Estado controlador de procedimentos meramente administrativos”.

Por sua vez, Bagão Félix defende não ser necessária uma maior liberalização dos despedimentos, acrescentando que “basta olhar para a última década para se perceber isso”, sobretudo “por via dos despedimentos coletivos e das ‘falsas’ rescisões amigáveis”. “O problema da flexibilidade não está nos despedimentos, está na contratação”, afirma o antigo governante, para quem “a segurança de emprego já não é total, nem vitalícia”.

A flexibilidade laboral favorece os empregos”, defende Bagão Félix, questionando: “Alguém pode imaginar contratos sem termo de 40 anos em plena época digital, por exemplo, no sistema financeiro?” Resumindo, “nem precarização eticamente reprovável, nem protecionismo exagerado que esconde as diferenças e o mérito”, frisa o ex-ministro do Trabalho.

Quanto à dinamização da negociação coletiva, outra das prioridades do atual ministro, Bagão Félix é favorável à manutenção da norma da caducidade das convenções, introduzida no Código de 2003, sublinhando que devem ser eliminados “os bloqueios” ao “ajustamento” dos contratos, como acontece nos países mais desenvolvidos da Europa. “Subsistem, ainda, muitas convenções coletivas feitas à medida de um mundo que já não existe, e que na aparência da defesa dos chamados “direitos adquiridos” acabam por prejudicar o futuro das empresas e respetivos postos de trabalho”, salienta o economista.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bagão Félix considera aumento da TSU “ingénuo e desconhecedor do mercado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião