Wall Street otimista. Tecnológicas lideram ganhos

  • ECO
  • 23 Fevereiro 2018

Queda das obrigações do Tesouro a dez anos está a animar a bolsa-nova iorquina. Na última sessão da semana, verde domina Wall Street, também devido ao bom desempenho das tecnológicas.

Depois das ligeiras quedas de terça e quarta-feira, o otimismo regressou à bolsa nova-iorquina. Com os investidores de olhos postos na Reserva Federal norte-americana, os principais índices abriram, na última sessão da semana, em terreno positivo, puxados pelas tecnológicas.

O industrial Dow Jones abriu a valorizar 0,65% para 25.125,16 pontos. A mesma tendência seguiu o tecnológico Nasdaq, que abriu a subir 0,77% para 7.265,64 pontos. Embora mais tímido, o principal índice norte-americano não se deixou ficar atrás. O S&P 500 abriu assim a crescer 0,097% para 2.703,96 pontos.

A puxar pela bolsa nova-iorquina estiveram, na abertura da sessão desta sexta-feira, as cotadas tecnológicas como a Apple, o Facebook, a Microsoft e a Hewlett Packard. Os títulos da gigante da maçã abriram a subir 0,92% para 174,08 dólares, os da Microsoft a valorizar 1,11% para 92,75 dólares e os do Facebook a crescer 1,31% para 181,34 dólares.

Melhor desempenho teve ainda a Hewlett Packard, cujas ações abriram a valorizar 9,49% para 17,99 dólares. Os seus resultados trimestrais — que ficaram acima das expectativas — e o anúncio de um plano de distribuir sete mil milhões de dólares aos acionistas, no final do próximo ano final, estão a dar gás aos títulos dessa tecnológica.

O desempenho positivo geral desta sexta-feira fica a dever-se ao facto de as Obrigações do Tesouro a dez anos terem regressado às quedas, na quinta-feira.

Além disso, Randy Frederik, da Charles Schawb, sublinha na Reuters: “Neste momento, as pessoas estão a prestar mais atenção aos discursos dos responsáveis da Fed, porque Janet Yellen saiu e é Jerome Powell quem está agora com as rédeas“. O presidente da Fed de Nova Iorque, William Dudley, a da Fed de Cleveland, Loretta Mester, e da Fed de São Francisco, John Williams, falam, esta sexta-feira, sobre a política monetária, o que deverá esclarecer o rumo da subida dos juros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street otimista. Tecnológicas lideram ganhos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião