Prio: “Há concorrência desleal do Intermarché nos combustíveis”

  • ECO
  • 26 Fevereiro 2018

O líder da Prio, Pedro Morais Leitão, diz considerar "inaceitável que haja uma empresa grande, visivelmente a apoiar essa atividade, e que não seja de alguma forma penalizada".

Pedro Morais Leitão, o presidente da Prio, acusa o Intermarché de “concorrência desleal” uma vez que este compra combustível a empresas que estão a ser investigadas por importação ilegal de gasóleo de Espanha, avançou em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago). Contactado pela RTP, o Intermarché rejeitou as acusações e, em comunicado, discorda destas declarações que podem afetar “de forma grave e injustificada” a sua imagem.

“Que existam pequenas empresas a fazer contrabando não nos parece um problema, sempre houve e haverá. Agora que haja grandes empresas a apoiar os contrabandistas é uma coisa mais grave“, diz Pedro Morais Leitão, acusando o concorrente: “Foi identificado claramente que há lojas do Intermarché que vendem combustíveis importados nesse formato ilegal”.

"Achamos inaceitável que haja uma empresa grande, visivelmente a apoiar essa atividade, e que não seja de alguma forma penalizada”

Pedro Morais Leitão

Presidente da Prio

“As importações em formato ilegal feitas a partir de Espanha têm-nos prejudicado na relação com os nossos principais revendedores”, revela ainda o líder da Prio. Acredita que a imagem do Intermarché estará em jogo e defende sanções. “Achamos inaceitável que haja uma empresa grande, visivelmente a apoiar essa atividade, e que não seja de alguma forma penalizada“, afirma, “há aqui concorrência desleal”.

Para Pedro Morais Leitão, a rede de supermercados deveria ter a iniciativa de parar com esta situação, dado que “formalmente o Intermarché não está a cometer uma ilegalidade, quem a está a praticar é o fornecedor do produto” mas, a partir do momento que está a par da situação, “não pode, simplesmente, ignorar o problema“, defende. E acrescenta: “Na verdade, depois, conseguem vender mais barato. E obviamente aqui a questão é: se furarmos as regras conseguimos vender todos mais barato, quem não fura as regras tem mais dificuldade”.

O Intermarché, numa nota enviada às redações, diz ter recebido com “total estupefação” as acusações do Pedro Morais Leitão, que poderão afetar “de forma grave e injustificada” a sua imagem. A rede de supermercados defende-se com a certificação da SGS, “empresa que atesta a conformidade e qualidade do combustível por nós comercializado” e afirma repudiar as práticas de que é acusado “de forma firme e veemente”. Aponta dois dos grandes fornecedores, a Galp e a Repsol, elos que justificaram a rejeição da Prio como parceiro comercial no passado recente, para além de não reconhecer “qualidade acrescida nos produtos da Prio”.

Segundo a Prio, existem cinco empresas que têm este mesmo comportamento, mas escolhe não identificar as outras primeiro por estes nomes não serem ainda do domínio público e, também, pela pequena dimensão que têm no mercado: “Não são conhecidas do grande público, só do setor”. O Intermarché critica ainda que a Prio não tenha identificado “os operadores que alegadamente serão os verdadeiros prevaricadores” mas “não tem qualquer denodo em acusar e denegrir a imagem e reputação do Intermarché, escudando-se em afirmações de terceiros”.

(Notícia atualizada às 10h54 com declarações do Intermarché)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prio: “Há concorrência desleal do Intermarché nos combustíveis”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião