Prio: “Há concorrência desleal do Intermarché nos combustíveis”

  • ECO
  • 26 Fevereiro 2018

O líder da Prio, Pedro Morais Leitão, diz considerar "inaceitável que haja uma empresa grande, visivelmente a apoiar essa atividade, e que não seja de alguma forma penalizada".

Pedro Morais Leitão, o presidente da Prio, acusa o Intermarché de “concorrência desleal” uma vez que este compra combustível a empresas que estão a ser investigadas por importação ilegal de gasóleo de Espanha, avançou em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago). Contactado pela RTP, o Intermarché rejeitou as acusações e, em comunicado, discorda destas declarações que podem afetar “de forma grave e injustificada” a sua imagem.

“Que existam pequenas empresas a fazer contrabando não nos parece um problema, sempre houve e haverá. Agora que haja grandes empresas a apoiar os contrabandistas é uma coisa mais grave“, diz Pedro Morais Leitão, acusando o concorrente: “Foi identificado claramente que há lojas do Intermarché que vendem combustíveis importados nesse formato ilegal”.

"Achamos inaceitável que haja uma empresa grande, visivelmente a apoiar essa atividade, e que não seja de alguma forma penalizada”

Pedro Morais Leitão

Presidente da Prio

“As importações em formato ilegal feitas a partir de Espanha têm-nos prejudicado na relação com os nossos principais revendedores”, revela ainda o líder da Prio. Acredita que a imagem do Intermarché estará em jogo e defende sanções. “Achamos inaceitável que haja uma empresa grande, visivelmente a apoiar essa atividade, e que não seja de alguma forma penalizada“, afirma, “há aqui concorrência desleal”.

Para Pedro Morais Leitão, a rede de supermercados deveria ter a iniciativa de parar com esta situação, dado que “formalmente o Intermarché não está a cometer uma ilegalidade, quem a está a praticar é o fornecedor do produto” mas, a partir do momento que está a par da situação, “não pode, simplesmente, ignorar o problema“, defende. E acrescenta: “Na verdade, depois, conseguem vender mais barato. E obviamente aqui a questão é: se furarmos as regras conseguimos vender todos mais barato, quem não fura as regras tem mais dificuldade”.

O Intermarché, numa nota enviada às redações, diz ter recebido com “total estupefação” as acusações do Pedro Morais Leitão, que poderão afetar “de forma grave e injustificada” a sua imagem. A rede de supermercados defende-se com a certificação da SGS, “empresa que atesta a conformidade e qualidade do combustível por nós comercializado” e afirma repudiar as práticas de que é acusado “de forma firme e veemente”. Aponta dois dos grandes fornecedores, a Galp e a Repsol, elos que justificaram a rejeição da Prio como parceiro comercial no passado recente, para além de não reconhecer “qualidade acrescida nos produtos da Prio”.

Segundo a Prio, existem cinco empresas que têm este mesmo comportamento, mas escolhe não identificar as outras primeiro por estes nomes não serem ainda do domínio público e, também, pela pequena dimensão que têm no mercado: “Não são conhecidas do grande público, só do setor”. O Intermarché critica ainda que a Prio não tenha identificado “os operadores que alegadamente serão os verdadeiros prevaricadores” mas “não tem qualquer denodo em acusar e denegrir a imagem e reputação do Intermarché, escudando-se em afirmações de terceiros”.

(Notícia atualizada às 10h54 com declarações do Intermarché)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prio: “Há concorrência desleal do Intermarché nos combustíveis”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião