Risco de pobreza entre os desempregados europeus? Alemanha lidera. Portugal entre os melhores

Portugal é um dos países da União Europeia com menor risco de pobreza nos desempregados. Os dados do Eurostat indicam que, ainda assim, esse risco aumentou mais de dez pontos percentuais em dez anos.

Quase metade dos desempregados da União Europeia estão em risco de pobreza. Depois de recebidas as prestações sociais, 48,7% dos europeus sem emprego, entre os 16 e os 64 anos, ficam em vias de atingir a pobreza monetária. A Alemanha lidera o ranking dos países onde esse perigo é maior. Portugal é dos países europeus onde essa ameaça é mais baixa.

Fonte: Eurostat

Ao longo dos últimos dez anos, a proporção de pessoas desempregadas na União Europeia que estão em risco de pobreza aumentou gradualmente: passou de 41,5% em 2016 para 48,7% em 2016. A liderança cabe à Alemanha: 70,8% dos desempregados alemães estão em risco de pobreza.

Do outro lado da tabela está Portugal onde 41,6% dos desempregados portugueses está sob essa ameaça. Contudo, é preciso realçar que esta percentagem aumentou mais de dez pontos percentuais: em 2006, apenas 31% dos desempregados estava nessa situação.

Os dados foram divulgados esta segunda-feira pelo Eurostat e referem-se a 2016. O conceito de pobreza monetária representa a população que aufere um rendimento anual líquido abaixo de 60% do rendimento mediano.

Dentro da União Europeia, é na Finlândia onde os desempregados têm menor risco de pobreza (37,3%). Não são só os desempregados finlandeses que têm a menor ameaça de pobreza monetária, os empregados também. Apenas 3,1% dos trabalhadores finlandeses correm o risco de pobreza.

Por outro lado, entre os trabalhadores europeus, o risco de pobreza é liderado pelos romenos (18,8%), pelos gregos (14%) e pelos espanhóis (13,1%).

Portugal também não fica longe: 10,8% dos empregados portugueses estão em risco de pobreza. Ainda assim, o Eurostat refere que é em Portugal onde existe uma das menores diferenças entre o risco de pobreza dos empregados e dos desempregados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Risco de pobreza entre os desempregados europeus? Alemanha lidera. Portugal entre os melhores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião