Crédito pessoal no smartphone? 15% dos empréstimos do Totta já são dados na app

Em 2017, o Santander Totta disponibilizou 80 milhões de euros em crédito pessoal através do "CrediSimples", disponível na app do banco. Ou seja, cerca de 15% do total de crédito pessoal concedido.

Consultar saldos, realizar transferências, fazer pagamentos ou abrir contas bancárias. Tudo isto já pode ser feito através das apps dos bancos. O Santander Totta acrescentou há cerca de um ano a essa lista a possibilidade de fazer um crédito. Essa aposta tem ajudado a puxar pelos níveis de concessão de crédito pessoal da instituição financeira. Só no último ano, por cada 100 euros em crédito pessoal concedido pelo banco liderado por Vieira Monteiro, 15 euros foram concedidos através do “CrediSimples”, que está disponível através da app Santander Totta.

“O lançamento do “CrediSimples”, em janeiro de 2017, uma oferta inovadora disponível exclusivamente nos canais digitais, inicialmente na app do banco, e desde meados de setembro também no NetBanco, impulsionou o crescimento da produção do crédito pessoal em 10,4%, representando cerca de 15% da produção total (excluindo ex-Banco Popular Portugal)”, dizia no início de fevereiro a instituição financeira liderada por Vieira Monteira aquando da apresentação de resultados relativos ao ano passado.

"O lançamento do “CrediSimples”, em janeiro de 2017, uma oferta inovadora disponível exclusivamente nos canais digitais, inicialmente na app do banco, e desde meados de setembro também no NetBanco, impulsionou o crescimento da produção do crédito pessoal em 10,4%, representando cerca de 15% da produção total (excluindo ex-Banco Popular Portugal).”

Santander Totta

De salientar que o Santander Totta é o único banco a operar em Portugal que disponibiliza crédito através da sua app. De acordo com dados facultados ao ECO, no ano passado, o “CrediSimples” permitiu ao banco angariar cerca de 80 milhões de euros em crédito pessoal. Ou o equivalente a 15% da concessão total com esse fim.

Este produto que está disponível desde janeiro do ano passado “permite aos clientes do banco obter um financiamento de forma simples, utilizando apenas a app do Banco”, tal como dizia o Santander Totta em comunicado aquando do respetivo lançamento.

Através do “CrediSimples” é possível obter financiamentos entre um mínimo de 2.500 e um máximo de 25.000 euros, para prazos que vão desde os 24 até aos 72 meses. Os clientes simulam o seu crédito pessoal, escolhendo o montante e o prazo pretendidos, sendo-lhes depois apresentadas as condições do crédito e respetiva documentação. Após aprovação e aceitação do cliente, o montante do financiamento fica disponível na conta. Tudo isto é feito exclusivamente através da app do Santander Totta.

"Queremos estar onde os nossos clientes estão. Nesse sentido, o ‘CrediSimples’ é uma ferramenta de proximidade aos nossos clientes.”

Santander Totta

“Queremos estar onde os nossos clientes estão. Nesse sentido, o ‘CrediSimples’ é uma ferramenta de proximidade aos nossos clientes”, explicou o banco ao ECO.

Contudo, esse tipo de estratégias de comercialização surgem num período em que têm surgido alertas relativamente ao risco de eventuais facilitismos na concessão de crédito.

No início de dezembro, O Banco de Portugal deu conta disso mesmo no Relatório de Estabilidade Financeira, referindo estar a ponderar apertar os critérios de avaliação por parte dos bancos na concessão de crédito, perante os riscos que essa situação poderia acarretar para o sistema financeiro português. Entretanto, a entidade liderada por Carlos Costa passou das palavras aos atos, tendo no início de fevereiro deste ano apertado as regras de concessão de crédito.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crédito pessoal no smartphone? 15% dos empréstimos do Totta já são dados na app

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião