Preço por noite nos hotéis portugueses subiu 10% em 2017

  • ECO
  • 28 Fevereiro 2018

"Temos crescido em preços ao mesmo ritmo do setor e é um crescimento completamente equilibrado", disse Cristina Siza Vieira, presidente executiva da Associação da Hotelaria de Portugal.

Nos últimos dez anos os preços dos hotéis subiram 33%, mas só em 2017 o aumento foi de 10%, revelam os dados da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), avançados pelo Diário de Notícias. O aumento do número de turistas em Portugal tem ajudado a puxar pelos preços que, ainda assim, estão longe das médias cobradas nos grandes destinos turísticos da Europa.

Temos crescido em preços ao mesmo ritmo do setor e é um crescimento completamente equilibrado“, disse Cristina Siza Vieira, presidente executiva da AHP, citada pelo mesmo jornal. A responsável explicou que o setor usa o ano de 2007, anterior à crise financeira, como referência. Nesse ano, uma noite de hotel em Portugal custava, em média, 66 euros.

A trajetória ascendente começou em 2014 e, em 2017, o valor ascendeu aos 88 euros, que comparam com os 80 do ano anterior. No ano passado, os turistas deixaram, em média, 41 milhões de euros por dia na economia portuguesa. Para além do boom do turismo, “não nos podemos esquecer de que a economia cresceu 2,7% no ano passado, e a maior procura do turismo interno também ajuda”, assinala Cristina Siza Vieira.

Quem vem e para que hotel?

Os preços sobem apoiados na procura da parte de turistas norte-americanos, chineses ou brasileiros, e a preferência tem recaído sobre os hotéis de quatro e cinco estrelas. Contudo, existe ainda um pico nos hotéis de duas estrelas, pois são os que melhor se equiparam à oferta de alojamento local.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preço por noite nos hotéis portugueses subiu 10% em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião